Sábado, 27 de maio de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Brincar é preciso...

Por Lucy Casolari *


Para se desenvolver saudavelmente, criança precisa brincar. Ao mesmo tempo, a casa precisa funcionar para todos, senão... a convivência pode ficar complicada.

Brincar é uma forma de descobrir o mundo, organizar as emoções, iniciar os primeiros relacionamentos. Por meio da brincadeira a criança processa as informações e experiências do dia-a-dia, desenvolve a coragem para arriscar, a iniciativa e a autonomia para agir. Aprender brincando é uma grande verdade, sobretudo quando se fala de criança, por isso costuma-se dizer que brincadeira é coisa séria.


Nesse ponto os estudos de especialistas convergem. Na opinião da educadora Fanny Abramovich a criança se desenvolve ao "entender tantas coisas através do brincar, ... se entender através de tantas maneiras de brincar". Ao mesmo tempo, se diverte e assimila conceitos, envolve-se em uma realidade própria e acrescenta ação e sentimento aos objetos. Desse modo, um pedaço de madeira ou um carrinho podem, na brincadeira, andar, dormir, comer, sorrir ou chorar.


Brincar é tão importante que faz parte da Declaração dos Direitos da Criança, ao lado do atendimento das necessidades básicas de alimentação, saúde, habitação e educação. Assim, o espaço lúdico, representado por jogos e brincadeiras, precisa ser garantido pelas famílias, escolas e autoridades públicas.

Pequenos adultos

Nas ultimas décadas a infância, assim como toda a sociedade, passou por grandes transformações. Os avanços tecnológicos em ritmo acelerado, a redução do número de filhos por família e o ingresso no mercado de trabalho da grande maioria das mães deram à infância uma outra cara. As crianças, atualmente, crescem mais solitárias e individualistas e vão para a escola mais cedo. O tempo livre é, em grande parte, utilizado na frente da televisão, absorvendo, passivamente, informações de um mundo adulto muito além do seu universo.


Para tirar os filhos da frente da telinha, TV ou computador, os pais procuram proporcionar atividades extracurriculares, sobrecarregando a agenda dos pequenos. Além disso, expectativas e cobranças em relação a eles são altas, pois afinal, como será o mercado de trabalho daqui a alguns anos? As escolas, por sua vez, valorizam o trabalho acadêmico de conteúdos, atendendo às ansiedades e exigências das famílias.


Como se vê, tudo no mundo atual está contribuindo para que as crianças não desenvolvam o hábito de brincar. Entretanto, é preciso proporcionar tempo livre para que a criança possa, como Narizinho de Monteiro Lobato, se exercitar em não pensar, sonhar, devanear... é isso que traz, de fato, a alegria de viver. Se você deseja que seus filhos cresçam felizes, lembre-se de que brincar precisa ser prioridade!

O espaço para brincar

Diante disso tudo, fica clara a necessidade de espaço onde a criança possa brincar espontaneamente, sem pressão de tempo nem cobranças. A solução seria, então, abrir toda a sua casa, o tempo todo, para não tolher as atividades lúdicas? Claro que não, pois brincar é descobrir o mundo e organizar as emoções mas, também, desenvolver a inteligência, a criatividade, a autonomia, a sociabilidade.


Mais razoável, portanto, é dimensionar e equilibrar o espaço da brincadeira de forma que toda a família possa usufruir a casa. Afinal não é nada agradável tropeçar, a toda hora, em carrinhos ou disputar o sofá com bonecas ou bichinhos de pelúcia.


Uma possibilidade pode ser a organização de uma brinquedoteca doméstica, no quarto das crianças, no quintal, na área de serviço ou até num canto da sala, se não houver alternativa. Dependendo do espaço de que você dispõe, poderá incrementar mais ou menos. De todo modo, lembre-se de que os brinquedos devem estar acessíveis para a criança, pois em estantes altas transformam-se em enfeites.


Utilize caixas coloridas de plástico para separá-los e ensine seu filhote a guardá-los nos seus respectivos lugares ao final da brincadeira. É claro que será preciso insistir muitas vezes até transformar a arrumação em hábito. Procure fazer junto ? o que não significa fazer por ele - até que tenha a autonomia para dar conta do recado. Ainda que a criança seja pequena é importante que, dentro de suas possibilidades, participe da organização, pois assim estará aos poucos assumindo e incorporando regras básicas de convivência e tornando-se responsável.


* Lucy Casolari é pedagoga e educadora


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Milho, o rei dos cereais. E da garotada! 15/09/2003 às 20:36:00

O milho faz um enorme sucesso entre as crianças e, além de saboroso, é muito nutritivo. Aprenda a fazer doces e salgados deliciosos com esse cereal. As receitas são da turma do Sitio do Picapau Amarelo!

   
Capoeira, esporte, lazer e educação 05/04/2001 às 17:22:00

Os pequenos aprendem o 'au', aplicam 'meia-lua de frente' e se esquivam para o lado. A capoeira chegou na vida da garotada, pegando carona nos 500 anos do Brasil que reacendeu uma paixão pela cultura nacional.

   
Viajando com as crianças 06/06/2001 às 16:39:00

Viajar com crianças não é uma tarefa fácil. Ao contrário, é um desafio! Mas se você se preparar para tal missão, verá que horas na estrada, com a família toda fechada num carro, podem passar bem rapidinho.

   
Brincando dentro de casa 02/06/2003 às 17:08:00

Nos dias cinzentos e frios de inverno, ou nos dias de chuva do verão, é preciso se desdobrar para distrair as crianças dentro de casa. Convide os amiguinhos e arme uma verdadeira festa!

   
Um Natal cheio de livros 14/12/2000 às 16:59:00

Você está procurando um presente que seja sucesso garantido? Então dê uma olhada nessa seleção de livros. Aqui você vai encontrar histórias saborosas, engraçadas e muito bem escritas. Abra as portas do mundo da fantasia para as crianças!