Quinta-feira, 25 de maio de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Educação musical começa no berço

Por Carla Oliveira *


Eles não sabem o que é um saxofone ou uma clave de sol. Mas, aos três anos de idade, já estão aprendendo a ouvir e a fazer música.

Toda criança adora música! E, intuitivamente, os pais já proporcionam seu contato com a música desde o nascimento, através de discos, histórias cantadas, instrumentos sonoros como chocalhos ou xilofones e até mesmo canções de ninar. A música está sempre ao redor da criança, mesmo que ela não se dê conta disso. A musicalização, isto é, a educação musical na infância busca a vivência musical de forma consciente.



Em outras palavras, isso significa tornar a criança sensível ao fenômeno musical, transformando-a em um indivíduo que sabe ouvir, criar e apreciar a música - o que facilitará, no futuro, a aquisição do conhecimento musical e o aprendizado de um instrumento. Mas, mesmo que seu filho nunca venha a ser um guitarrista ou um baterista, as habilidades desenvolvidas através da musicalização serão muito valiosas para a sua formação em geral.


A musicalização proporciona o desenvolvimento do sentido estético, da manifestação artística e expressiva, da memória, da concentração, da coordenação motora, da criatividade, do raciocínio, da intuição e da sensibilidade. Apesar disso, educadores musicais ressaltam que o ensino de música na infância não deve ser realizado apenas com o objetivo de desenvolver habilidades. "O interesse maior tem que ser pela música em si", afirma a pianista Teca de Alencar Brito, que trabalha com musicalização há mais de 30 anos em sua escola em São Paulo - a Teca Escola Oficina de Música.

Música sem caretice

Na Teca Escola Oficina de Música, a criança começa a ter aulas com três anos. Dos três aos seis anos, as aulas são em grupo, enfocando a exploração da música através de jogos e brincadeiras. A partir dos seis anos, a criança pode optar por aprender um instrumento, e então recebe aulas particulares para se especializar.


"É um processo contínuo, que começa de forma abrangente. Em primeiro lugar, a criança entra em contato com inúmeras possibilidades: cantar, produzir instrumentos, brincar. A música é uma forma de expressão, é um gesto, e elas aprendem a explorar esse gesto", explica Teca. A pianista conta que hoje dia existe uma preocupação maior em fazer a criança conviver com a música de forma lúdica, e não mais como um dever ou obrigação.


"Mas, alguns métodos ainda são muito caretas, os alunos têm que decorar e ensaiar somente aquilo que o professor quer e têm que seguir uma apostila. A música tem que ser ensinada de um jeito legal, a pessoa tem que sentir-se capaz de criar, não só reproduzir a música, mas compor, inventar, improvisar. A música não vem pronta, você a constrói", ressalta Teca.


Segundo a pianista, na maioria das escolas de educação infantil, a situação também é ruim. A musicalização fica restrita a cantar musiquinhas na hora do recreio ou ensaiar uma música para apresentar na festa de fim de ano. "Isso é apenas condicionamento, a criança não aprender nada", defende. Para ser uma atividade prazerosa e fonte de auto-estima, a criança deve sentir à vontade para interagir com a música e não apenas reproduzi-la mecanicamente.

Sinal verde, sinal vermelho

Uma das primeiras atividades que Teca faz com os pequenos é a brincadeira do "Sinal verde, sinal vermelho". De acordo com a pianista, essa brincadeira ajuda a perceber o contraste entre som e silêncio e explora formas de tocar um instrumento. Cada criança escolhe um instrumento e decide que tipo de transporte ela quer ser - pode ser um avião, um trem, um carro.


Quando a professora fizer um determinado som, combinado anteriormente, as crianças devem andar pela sala e tocar seu instrumento: é o sinal verde. Quando ela fizer um outro som, elas devem parar de andar, de falar e de tocar: é o sinal vermelho. "No começo é um caos, todo mundo toca alto e faz muito barulho. Depois eles percebem que têm que tocar com menos intensidade para poder ouvir o som dos sinais e também começam a prestar atenção no que os outros estão tocando", conta Teca.


Depois da bagunça inicial começa também a surgir um tom mais elaborado ou um ritmo interessante, pois a criança percebe que se tocar de certa maneira, ela pode imitar o som de uma sirene, por exemplo, e começa a reproduzir esse som várias vezes. "Essa conquista é muito importante", ressalta Teca. Além disso, com essa brincadeira a criança fica na expectativa de ouvir o sinal e aprende a se concentrar e a apurar o ouvido.

Vamos ensinar música?

Se você é professor e pretender iniciar o ensino de música em sua turma, confira abaixo algumas sugestões de livros, sites, vídeos e CDs interessantes para se informar sobre o assunto e usar nas aulas. E não deixe de ler também o documento de música do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, disponível do site do Ministério da Educação e Cultura (www.mec.gov.br)




VÍDEOS


  • Pedro e o Lobo, da coleção Meus Contos Favoritos, da Disney.


    SITES


  • www.edumusical.org.br - esse site, criado pelo Laboratório de Sistemas Integráveis da Poli-USP, reúne brincadeiras e informações, tanto para a criança quanto para os adultos. Em cada sala do prédio EduMusical, há uma atividade diferente, com personagens e histórias divertidas. Um dos destaques é o Editor Musical, um programa cujo download é gratuito que possibilita compor música através de desenhos. Para os professores, há sugestões de atividades que podem ser feitas na sala de aula.


    LIVROS


  • Brincando de Roda, de Íris Costa Novaes - Ed. Agir


  • O Tesouro das Cantigas para Crianças, vol. 1 e 2 (acompanha CD), de Ana Maria Machado - Ed. Nova Fronteira.


  • Cadernos de Atividades, de Roseli Lepique e Mônica Lima - Ed. G4


  • Conheça a Orquestra, de Ann Hayes - Ed. Ática


  • Método de Flauta Doce (acompanha CD) - Editora G4


  • Música na Educação Infantil, de Teca Alencar de Brito - Ed. Fundação Peirópolis


  • Ensino de Música: Propostas para pensar e agir em sala de aula, de Liane Hentschke e Luciana Del Bem - Ed. Moderna


    CDs



  • Canções Curiosas, Mil Pássaros e Canções de Brincar, de Paulo Tatit e Sandra Peres - Palavra Cantada.


  • Villa Lobos e os Brinquedos de Roda, Percussão da UFMG e Coral Inf Clovis Salgado - Mcd


  • Arca de Noé, de Toquinho e Vinícius de Morais, vol. 1 e 2 - Polygram


  • Adivinha o que é?, MPB-4 - Ariola


  • O Grande Circo Místico, de Edu Lobo e Chico Buarque - Som Livre


  • Madeira que cupim não rói, de Antônio Nóbrega - Brincante


  • Castelo Rá-Tim-Bum, vários autores - Velas


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Música para bebês 17/09/2001 às 19:05:00

    Conheça a Teoria de Aprendizagem Musical, método que busca desenvolver o gosto pela música em bebês a partir de 10 dias de vida.

       
    Música em casa I 14/02/2007 às 11:26:00

    A arte-educadora Cláudia Cascarelli fala da sua influência sobre as primeiras experiências musicais do seu filho, que hoje é compositor e regente de orquestra.

       
    Cantigas de roda e canções de ninar 03/10/2004 às 14:19:00

    Cultivando e reinventando a tradição.

       
    Vamos ouvir música! 12/03/2004 às 22:48:00

    Saiba mais sobre o que o mercado fonográfico brasileiro oferece para o seu filho.