Quinta-feira, 27 de abril de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Basquete, um esporte de equipe

Por Luiza Helena Marcondes *


Jogando basquete seu filho vai aprender a viver em grupo, dividir tarefas com a equipe e melhorar a disciplina.

Meninos e meninas podem ter o primeiro contato com ele a partir dos 3 anos. Nessa idade, os pequenos apenas brincam e se familiarizam com alguns conceitos básicos. Nada de fundamentos nessa fase, pois o corpo da criança não está suficientemente desenvolvido para iniciar treinos mais pesados. "Os alunos trabalham a coordenação motora e a sociabilização", diz a diretora geral de esportes do Clube Espéria, Liliana Fedeli de Oliveira, em São Paulo.


Sendo um esporte de equipe, é muito importante que a criança aprenda a dividir e cooperar com seus colegas de equipe. O time, composto por cinco atletas, precisa da participação e do empenho de todos a fim de conseguir o objetivo maior do jogo: arremessar e fazer a cesta.

Atletas baixinhos

Quem nunca acompanhou uma emocionante partida de basquete e vibrou com a seleção formada por Hortência, Magic Paula, Marta, Janeth e Karina? Ou aplaudiu o cestinha Oscar Schmidt nas Olimpíadas quebrando os próprios recordes? Mexa-se! Seu filhote pode fazer parte da nova geração e ser uma esperança de medalhas olímpicas.


Qualquer criança pode jogar. Embora a altura seja uma característica desejável nesse esporte, os baixinhos às vezes são decisivos no resultado da partida. Talvez os menores não venham a ser os cestinhas do jogo, mas têm condições de armar belas jogadas. Mais ágeis, eles driblam os adversários, fazem o rebote e arremessam a bola ao parceiro para que faça a cesta.


Aos 8 ou 9 anos, com um físico apto a ser exercitado, os garotos já podem ingressar na escola de basquete. De acordo com a idade do jovem, a bola e a cesta têm peso e altura diferentes dos oficiais para facilitar a vida dos iniciantes, já que eles ainda não têm força suficiente para arremessar e driblar.


Agora é hora de assimilar as regras, manter uma dieta saudável - rica em frutas, legumes e verduras - e adquirir energia para brilhar nas quadras. Mas nada de fanatismo, por favor. Treinar demais faz mal! A criança não deve ultrapassar os próprios limites. O ideal é jogar apenas duas ou três vezes por semana. "Geralmente o treino tem uma hora e meia de duração e, para menores de 9 anos, 45 minutos", diz a diretora de esportes do Clube.

Escorregões e trombadas

Antes de matricular seu filho em qualquer academia ou escola de esportes, converse com o professor e acompanhe uma aula. Certifique-se de que os alunos fazem aquecimento e alongamento antes de iniciar o treino. Pular essas etapas é abusar da própria sorte. A probabilidade de uma lesão muscular aumenta muito nesse caso.


"É possível que a criança não sinta nada, mas se forçar demais o corpo, sofrerá fortes dores quando for adulta", afirma Liliana Oliveira. A preparação inadequada antes de começar a atividade física pode provocar graves problemas - rompimento de ligamentos, torções e fraturas - nos braços e nas pernas, os membros mais trabalhados no basquete.


"O risco de lesão é o mesmo em qualquer modalidade esportiva. O que pode acontecer, esporadicamente, é um acidente como um escorregão na quadra ou uma trombada com o adversário na disputa da bola", alerta a esportista.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Problemas todos temos 11/07/2002 às 14:11:00

Dificuldades em casa: ansiedade, medo, vergonha de partilhar? Quando e por que abrir o jogo na escola?

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Manual do ficar, especial para pais 17/06/2002 às 15:36:00

Para os pais que não viveram a onda do "ficar".

   
Crianças especiais 05/11/2003 às 13:40:00

Classes regulares aceitando alunos com necessidades especiais já são realidade em algumas escolas. Naturalmente, como em toda reformulação, existem dúvidas dos pais. Será positiva a convivência entre crianças com diferenças mais acentuadas?