Quinta-feira, 27 de abril de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

O primeiro dia de aula

Por Fernanda Maria Garrafa Rocha Campos *


Quem vai à escola pela primeira vez pode apresentar duas reações que estão diretamente ligadas à postura dos pais. Confira quais são elas e aprenda a lidar com isso.

Não é fácil, para crianças pequenas, habituadas à segurança do ambiente doméstico, com pessoas conhecidas, enfrentar a primeira incursão pelo mundo lá fora. Nesse processo, a participação dos pais é fundamental. Confira:

  • Se estão confiantes, transmitem segurança a seu filho que, na maioria das vezes, ficará na escola sem problemas. É importante que você o acompanhe até a sala nos primeiros dias e se mantenha a postos, aguardando pontualmente na saída. Seja uma boa ouvinte e escute suas novidades da classe.

  • Algumas crianças demoram mais para se adaptar e precisam da presença da mãe no começo. Geralmente os pais também se sentem ansiosos, mostram dificuldade em se separar dos filhos, o que influi demais. Cabe aí um trabalho da escola com os dois - mãe e filho. Firmeza, apoio, acolhida, tranqüilidade e muita segurança ao agir são essenciais.

  • Esse trabalho é gradativo e a escola conta com a sua ajuda para que, em pouco tempo, ambos estejam adaptados e você consiga deixá-lo sem culpa.

    Todos precisam de apoio

    Se seus filhos já são maiores, sua interferência deve ser adequada à faixa etária e acontecer de acordo com a solicitação deles. O importante é que saibam que você estará disponível quando necessário. Mas também precisam perceber que há profissionais prontos a ajudá-los em suas dúvidas e anseios.


    Dê um tempo para que a adaptação aconteça naturalmente. Procure se inteirar das atividades propostas, do que aconteceu, conheça os amigos de seu filho, seus pais, mostrando sempre que esse conhecimento só solidifica a sua relação positiva com a escola.

    Superando obstáculos

    Não hesite em pedir ajuda à coordenadora se sentir que algo não vai bem ou que existe desconforto em relação a alguma situação. Converse com ela, fale de suas angústias, ouça o que tem a dizer, mas deixe um pouco as coisas nas mãos de seu filho. Ao mostrar confiança na escola e crença em sua capacidade de resolver problemas do cotidiano você estará facilitando sua adaptação. Além disso, esteja certa de que enfrentar e superar obstáculos é um importante fator no desenvolvimento emocional, tanto hoje quanto no futuro.


    Nesse processo é importante que os pais percebam que seus sentimentos são "captados" pelo filhos, independente da idade. A confiança e a "paciência" são a chave de tudo. É preciso dar um tempo para conhecer, descobrir, se integrar, criar vínculo e fortalecê-lo, acreditando sempre no que está sendo realizado. Boa sorte, feliz início de ano para todos: pais e filhos!


    * Fernanda Maria Garrafa Rocha Campos é pedagoga e educadora


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Problemas todos temos 11/07/2002 às 14:11:00

    Dificuldades em casa: ansiedade, medo, vergonha de partilhar? Quando e por que abrir o jogo na escola?

       
    Bullying, violência na escola 01/08/2004 às 11:19:00

    Humilhação, intimidação, ameaça. Diariamente, estudantes de todas as idades são vítimas desse tipo de violência moral na escola. Os agressores são seus próprios colegas. Como lidar com essa situação?

       
    Ensinando a pensar 13/08/2001 às 14:58:00

    O que é mais importante em uma escola: matérias e conteúdo ou que o aluno aprenda a pensar?

       
    Bilhetes e bilhetinhos... 06/09/2001 às 14:20:00

    Na semana passada o seu filho trouxe da escola um bilhete da professora com uma anotação sobre o comportamento inadequado na sala de aula. Hoje chegou outro dando ciência da falta de uma lição. E você, como se sente?

       
    Solidários desde a infância 05/04/2001 às 16:29:00

    Você sai de carro com seu filho. Ao aproximar-se de um sinal, uma criança se aproxima da janela e, rapidamente, você fecha os vidros. Seu filhote fica supreso, parece não entender o que se passa. Como falar de nossos medos? Como explicar o inexplicável?