Sábado, 23 de setembro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Brinquedos adequados e seguros!

Por Luiza Helena Marcondes *


Todo brinquedo é importante para desenvolver habilidade e raciocínio. Mas escolhê-lo de forma errada pode colocar a saúde de seu filho em perigo. Cuidado!

Certamente você já ficou na dúvida quanto ao brinquedo mais adequado para seu filho. Entrou na loja, verificou inúmeras opções, porém não achou algo apropriado à idade dele. Quando se deparar novamente essa situação, opte pelos mais educativos. Confira quais deles estimulam mais a coordenação motora, a socialização, a criatividade e a inteligência. A orientação é do Procon, de São Paulo.

A escolha certa

De acordo com a idade, a criança descobre novos meios de convívio e diversão. Assim, o melhor é que seu filho brinque com objetos adequados à sua idade e fase de desenvolvimento.


Até os 9 meses - o bebê está descobrindo sons, formas e cores do universo à sua volta. Por isso seus brinquedos, além de leves, precisam ter as formas arredondadas e sons agradáveis. Importante: eles devem ser antialérgicos e jamais soltar tinta.


Dos 9 aos 12 meses - as crianças que engatinham gostam de pegar tudo o que vêem. Aproveite essa fase para que elas conheçam diferentes texturas e materiais, oferecendo brinquedos de tecido, borracha, plástico, madeira.


1 ano - as habilidades manuais e corporais devem ser desenvolvidas. Os brinquedos de encaixe, de empurrar, de abrir e fechar, estimulam a coordenação motora.


2 anos - aproveite as habilidades já conquistadas e a curiosidade própria dessa fase para oferecer materiais que possibilitem múltiplas combinações, como jogos com peças para montar.


Dos 3 aos 5 anos - o pequeno gosta de imitar as tarefas cotidianas dos adultos. É comum, nesse período, brincar de casinha, teatro, escola, etc. Estimule a criatividade de seu filho dando a ele bonecos, carrinhos, fantoches e livros de histórias.


Dos 5 a 7 anos - as brincadeiras em grupo ganham importância. As crianças irão adorar brinquedos que favoreçam competições, como bolas de futebol, raquetes, pebolim.


Dos 7 a 9 anos - os jogos de raciocínio e de memória adaptam-se às crianças que já têm domínio sobre a capacidade motora e inventam regras. Quebra-cabeças e dominós são perfeitos nessa fase.


Dos 9 a 12 anos - o desenvolvimento físico e motor já está preparado para atividades mais complexas. Geralmente, nessa idade, os pequenos gostam de jogos eletrônicos. Leve em consideração a preferência de seu filho.


Mas atenção! Em qualquer idade evite brinquedos excessivamente barulhentos - que podem comprometer a audição -, produtos com cheiro e formas que imitam alimentos, para evitar a tentação de engoli-los. Fuja, também, de fantasias e máscaras fabricadas com material de fácil combustão.

Nunca compre por impulso

Segurança é fundamental. Por isso, sempre que fizer uma compra verifique cuidadosamente o produto que está levando para a casa. Antes de observar os componentes, verifique se há o selo do INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) na embalagem. A ausência dele indica que o brinquedo não foi testado e pode provocar acidentes sérios como intoxicação, choques elétricos e perfurações.


Procure na caixa do produto o nome, endereço, CGC e telefone do fabricante; a idade a que se destina, instruções de uso em português (mesmo que o produto seja importado) e eventuais riscos que possam apresentar à criança. E não esqueça de exigir a nota fiscal!

Procure seus direitos

Quando o brinquedo apresenta problemas, o Código de Defesa do Consumidor assegura a garantia legal de 90 dias para produtos duráveis (nacionais ou importados). Nesse prazo o cliente pode reclamar junto ao fornecedor. Contudo, se em até 30 dias o caso não for resolvido, você deve exigir a substituição, o abatimento proporcional do preço ou a devolução do valor pago.



Contudo, o fabricante pode oferecer um Termo de Garantia, juntamente com a relação de assistência técnica credenciada. O documento deve esclarecer o prazo de vigência e o que a garantia cobre em caso de danos.



Para maiores informações consulte alguns sites sobre defesa dos direitos do consumidor:



http://www.procon.sp.gov.br/texto.asp?id=524

http://www.criancasegura.org.br/crianca_segura.asp>/a>


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Limites diante da telinha 11/06/2001 às 16:08:00

A televisão é extremamente poderosa e, se os pais não abrirem os olhos, correrão o risco de conviver muito pouco com seus filhos. Quantifique as horas e analise os programas que seu pimpolho está assistindo.E não esqueça que noticiário violento não é prog

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
O fantástico mundo dos canhotos 25/08/2006 às 10:59:00

Eles levantam com o pé esquerdo, mas não é porque são azarados. Conheça as dificuldades e as vantagens de ser canhoto.

   
Paz em casa 31/07/2002 às 13:46:00

Dicas preciosas da revista Meu Nenê e Família