Quinta-feira, 24 de agosto de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Enquete, opinião dos homens


Meu relacionamento depois que nasceram meus filhos está mais gostoso e mais romântico, com mais ternura e sensibilidade. Dá gosto amar cada vez mais, não só ter relações sexuais, mas AMOR mesmo.


Não sei se é normal, mas minha mulher parece que não liga muito para sexo ou então eu ligo demais...


Filho nunca atrapalha, o que acontece é que, em alguns casos, talvez como o meu, é mais fácil colocar a culpa nos filhos do que aceitar que tem alguma coisa errada com o casal.


A diminuição das relações sexuais se deve a vários fatores: claro que não temos mais tanta privacidade como tínhamos antes dos filhos; há também que se levar em conta que o tempo é inexorável, e que a freqüência nas relações sexuais é absolutamente normal levando-se em conta a idade. Por outro lado, a qualidade aumenta, pois a intimidade e a confiança, além do amor maduro, tende a acentuar-se.


Sei que poderíamos fazer sexo mais vezes, mas tenho receio que meu filho, que está muito esperto, veja.


Acredito que os casais deveriam - antes de ter seus filhos - pesquisar e analisar melhor esse fato e outros fatores para que a vida sexual continuasse como antes, mesmo com a vinda de uma penca de filhos.


Há algum tempo venho tendo esse tipo de problema e ? pode ter certeza ? está afundando meu casamento!


Percebo que a maternidade exige muito da mulher, e ainda mais das superprotetoras. Elas deixam o sexo e a intimidade por último e só após executarem todas as tarefas a que se propuseram a fazer no dia é que vão pensar em sexo, mesmo assim, se ainda tiverem disposição física para tanto, se o cansaço não as vencer... dessa forma, à outra parte resta a paciência, tentar dividir as tarefas com mais empenho e torcer para não se cansar muito também, pois, se ambos estiverem muito cansados, o sexo sai morno, uma droga, acaba não valendo a pena e ficam os dois insatisfeitos. Isso acaba refletindo no dia a dia do casal, o que é uma pena, pois isso bem pode ser o começo do fim de um relacionamento que é algo ruim para todos, algo no qual não existem vencedores, apenas perdas para ambos os lados. Conversa, atitude, disciplina com os horários e muito investimento no relacionamento, moçada e vamos ser felizes e amar muito, namorar bastante e - porque não? - gozar de montão.


O homem continua um garanhão, mas a mulher não pensa muito mais em
sexo, pois os filhos estão sempre em primeiro lugar, então o
trabalho do homem conseguir sexo fica difícil pois ele vai ter que conquistar
sua própria mulher todo dia de novo, assim muitos desistem e procuram outros
métodos.


O sexo é muito importante para o casal, mas não é tudo. O carinho e as carícias são fundamentais.


Quanto à frequencia, acredito não ter muito a ver com os filhos, pois se queremos realmente fazer sexo, se a cabeça está boa para isso, fazemos. Não são os filhos que atrapalham. O que realmente atrapalha é o egoísmo de sentimentos que temos entre nós (pessoas humanas). Acho que poderíamos nos dedicar mais a ter um relacionamento de qualidade e um amor real.


O sexo mesmo após os filhos depende da vontade e amor que se tem pelo seu cônjuge. Quanto mais se faz, mais se quer fazer, tudo é questão de querer de ter desejo do parceiro(a).


Meus filhos são maravilhosos: um menino de 3 anos e uma fofinha
de 8 meses. Tudo é muito rápido, agora é esperar os momentos para poder desfrutar do playground sexual feminino. Quando se põe filhos no mundo a prioridade passa a ser deles. Paciência!


Acho isso um problema causado por parte das mulheres. Podem me chamar de egoísta, mas acontece que o sexo faz parte de nossas vidas e sem esquecer que, ao nos apaixonarmos pelas mulheres, um dos motivos é por combinar no fator e apetite sexual. Após o nascimento do filho, isso desaparece nas mulheres, o que pode acarretar um desvio do homem em busca do prazer que sua mulher não mais o proporciona. Acontecendo assim a traição.


Gostei do tema e acho que com a vinda dos filhos é natural que diminua, pois o cansaço das acordadas repentinas, o desgaste da amamentação refletem na freqüência das relações


Infelizmente, a vida estressante que levamos no dia a dia nos leva a perdermos ou pelo menos diminuirmos muito apetite sexual.


Claro que os filhos atrapalham um pouco a privacidade do casal, mas acho que não deve ser o principal. Meus filhos, por exemplo, gostam de me ver namorando minha esposa (abraçando e beijando). Nós dizemos a eles que precisamos namorar e eles entendem isto. O que fez diminuir a freqüência do relacionamento sexual foi o aumentos das atividades domésticas advindas das bagunças diárias das crianças, aliadas ao retorno da minha esposa ao mercado de trabalho para
complementar a renda familiar, causando um cansaço e até mesmo stress
constante em nós.


Acho que os casais poderiam tentar sair um pouco da rotina saindo á noite, ou até mesmo programando algo diferente só para o casal, deixando os filhos com algum parente ou até mesmo solicitando um horario extra combinado com a empregada, se for de confiança.


Acho muito bom esse trabalho que vocês desenvolvem, pois ajuda muitos casais que atravessam crises por achar que filho altera o ato sexual. O que tem de se ter em mente é que os horários é que ficam limitados. Normalmente, quando as crianças dormem, é o momento ideal.


Os filhos em nada atrapalham. Tudo o que possa vir a ocorrer, de bom ou ruim, depende da mentalidade dos pais.


Filhos são ótimos, mas tiram mesmo toda a privacidade dos pais.


O casamento ou o convívio a dois acaba sem que o companheiro perceba. Assim como o interesse sexual acaba.


É realmente cansativo ter filhos. Quando falam que é uma gracinha, eu falo para aturarem uma semana e ninguém quer...


É muito bom falar deste assunto, pois vejo isto como um problema e gostaria de solucioná-lo.


Sou casado há três anos, temos uma vida um pouco conturbada com a falta de dinheiro, mas temos um enorme prazer pelo sexo. Nossa vida sexual é muito boa, pena que estamos quase que formando regras para transar, isso acontece sempre de sexta ou sábado porque podemos realmente nos amar. Esta história de uma rapidinha não cola muito porque quando você é casado procura o prazer tanto seu como da sua parceira, agora quando solteiro o sexo poderia ser feito de qualquer maneira a qualquer hora, pois não são todas as transas que estamos afim de satisfazer os dois. Muitas mulheres adoram aquela rapidinha em lugares bem perigosos, acaba se transformando em uma aventura e não é o que acontece no
casamento. Claro que tem suas aventuras e fantasias, mas com muito amor
e principalmente respeito. Os casais têm que pelo fazer menos duas vezes por semana, se arriscar e uma vez por mês ir ao motel, é muito gratificante e acende a paixão da adolescência.


Sei que a chegada dos filhos podem diminuir a freqüência das relações sexuais, mas se nos amamos e amamos também nossos filhos que foram planejados, não tem porquê diminuirmos o nosso desejo e amor.


O segredo do prazer sexual duradouro está no amor dos casais, respeito e transparência.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Limites diante da telinha 11/06/2001 às 16:08:00

A televisão é extremamente poderosa e, se os pais não abrirem os olhos, correrão o risco de conviver muito pouco com seus filhos. Quantifique as horas e analise os programas que seu pimpolho está assistindo.E não esqueça que noticiário violento não é prog

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Manual do ficar, especial para pais 17/06/2002 às 15:36:00

Para os pais que não viveram a onda do "ficar".

   
Interar-te Atividade gratuita para famílias 29/04/2011 às 11:57:06

Dia 11 de julho, quinta-feira, no MAC USP NOVA SEDE - Ibirapuera! Confira!

   
Sol na medida certa 29/01/2001 às 14:13:00

O sol faz bem à saúde, mas nada de exageros. Nem muito nem tão pouco. Conheça os segredos para manter a pele de seu filhote bem cuidada e longe das agressões das queimaduras.