Quarta-feira, 22 de novembro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Pequenos cavalheiros e damas

Por Lígia Marques *


Crianças são extremamente curiosas e observadoras. Imitam, como "macaquinhos", gestos e comportamentos dos pais. Regras de boa educação, portanto, devem ser rotina em sua casa para que seus filhos sejam um exemplo de cortesia.

Vocês, pais, costumam dizer "por favor" e "obrigado" sempre que solicitam algo a alguém? Pois saibam que não adianta pedir que seus filhos digam essas palavrinhas mágicas se vocês mesmos não as utilizarem exaustivamente em seu cotidiano. Não há mistério nenhum a respeito desse assunto. Bons exemplos aliados a uma certa dose de orientação são a chave para o aprendizado da etiqueta.


Solicitar favores e agradecer polidamente são os primeiros passos e naturalmente existem alguns truques para convencer os pequenos sobre a importância de certas atitudes como, por exemplo, a de emprestar brinquedos ao amiguinho que chegou para visitá-lo.


Os pais deverão ter paciência e explicar à criança que brincar com os outros é muito mais gostoso que brincar sozinho e que, para isso, ela terá de começar a dividir seus objetos queridos ou emprestá-los por um tempo; e enfatizar que os amigos são pessoas muito importantes em nossas vidas e, portanto, devemos tratá-los bem. Obviamente o "retorno" desse discurso não virá de uma hora para outra mas, com certeza, o primeiro passo já estará sendo dado.

Com licença, me desculpe

Ao lidar com nossos filhos devemos procurar respeitá-los como cidadãos, como pessoas com características próprias de personalidade. Mesmo que eles ainda sejam muito pequenos, evite "mandar que façam" em vez de pedir, educadamente o que deseja. Peça-lhes desculpas sempre que perceber que cometeu um erro, dizendo com todas as letras "por favor me desculpe, foi sem querer".


Pedir-lhes "com licença" se necessitar, por exemplo, levantar da mesa enquanto ainda existe alguém comendo, deve fazer parte da rotina... A criança que é respeitada vai introjetando essas atitudes naturalmente e terá maior facilidade em relacionar-se com os outros de uma forma educada.

Elogios são estimulantes

A partir de 2 anos e meio a criança já tem condições de demonstrar sua boa educação, desde que tenha tipo oportunidade de assimilar - sem perceber - as regras da boa convivência. Chame a atenção para o errado, mas faça questão de valorizar o correto. Estímulos positivos são importantíssimos!


Assim que seu filho começar a fazer as refeições com a família toda, capriche no discurso em relação às atitudes à mesa. Providencie garfos e colheres pequeninas para que, aos poucos, a criança aprenda a manusear talheres. Mesmo que no início seja difícil, insista. E acredite: bom humor e alegria também ajudam a educar. Transforme o "treinamento" de seu filho numa gostosa brincadeira.


* Lígia Marques é consultora de etiqueta e boas maneiras para adultos, crianças e adolescentes. Possui metodologia desenvolvida especialmente para despertar o interesse na faixa etária de 9 a 13 anos, com grande sucesso entre pais, filhos e escolas. Atende em São Paulo e por todo o Brasil
ligiamarques@ligiamarques.com.br


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Palavrões, palavras e palavrinhas 14/02/2001 às 17:12:00

Criança aprende tudo tão rápido! Isso vale para coisas "do bem" e "do mal". De repente seu filho, sem mais nem menos, solta um tremendo palavrão. Após o choque inicial, virão as perguntas inevitáveis: Será que sabe o que está dizendo? Onde aprendeu isso?

   
Manual do ficar, especial para pais 17/06/2002 às 15:36:00

Para os pais que não viveram a onda do "ficar".

   
Crianças especiais 05/11/2003 às 13:40:00

Classes regulares aceitando alunos com necessidades especiais já são realidade em algumas escolas. Naturalmente, como em toda reformulação, existem dúvidas dos pais. Será positiva a convivência entre crianças com diferenças mais acentuadas?