Domingo, 19 de novembro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Terceiro Setor, entenda esse conceito

Por Carla Oliveira *


Analfabetismo, mortalidade infantil, pobreza, fome... será possível resolver todos este problemas? E você, vai ajudar?

Atualmente, 54 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha de pobreza, isto é, não ganham o suficiente para pagar pelos itens básicos para a sobrevivência (Fonte: Ipea, 2001). A cada mil crianças que nascem no país, 35 morrem antes de completar 1 ano. Aos 10 anos, 11,4% delas são analfabetas. Além disso, 54,4% das crianças entre 0 e 6 anos vivem em casas sem acesso à rede de água, esgoto e coleta de lixo (Fonte: IBGE, censo 2000). Diante de todos esses problemas, uma grande parcela da população arregaçou as mangas: foi aí que surgiu o Terceiro Setor.


O Terceiro Setor é constituído por organizações não governamentais, sem fins lucrativos e voltadas para a produção de bens e serviços públicos, como ONGs, Fundações e Entidades Beneficentes, entre outros. Esse novo segmento surgiu como uma forma da sociedade civil atuar na solução de problemas sociais, complementando a ação do governo.


Apesar de ser a 10ª potência econômica do mundo, o Brasil ocupa o 73º lugar no ranking de desenvolvimento humano (Fonte: PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, relatório de 2002). Isso mostra que o desenvolvimento econômico do país, por si só, não elimina a pobreza e desigualdade social. A diferença entre esses números também nos dá a dimensão do desafio que temos pela frente. Há muito trabalho a ser feito!

No caminho certo

Calcula-se em 20 milhões o número de pessoas envolvidas com algum tipo de trabalho voluntário no Brasil (Fonte: Revista Veja, dezembro de 2001). Entre as instituições, merece destaque a Pastoral da Criança, que conta com 150 mil voluntários, atendendo a mais de 1,1 milhões de pessoas. Algumas entidades crescem tanto que são administradas com estratégias de grandes empresas. Universidades como Anhembi Morumbi, ESPM, Senac, USP e Getúlio Vargas, em São Paulo, já oferecem cursos de gestão do Terceiro Setor.


As empresas brasileiras também estão dando o exemplo: mais da metade delas desenvolve algum tipo de ação social (Fonte: Ipea, 2001). Podemos citar algumas das mais conhecidas, como Nestlé, McDonald´s, BankBoston, Alcoa, IBM, Grupo Orsa, Bradesco e C&A. O McDonald´s, por exemplo, reverte o lucro obtido pela venda do Big Mac em cada edição do "McDia Feliz" para entidades dedicadas ao câncer infantil. A escola de idiomas Yázigi criou o Ponto Solidário, um projeto que comercializa produtos artesanais feitos por comunidades indígenas, ONGs e outras instituições - a loja fica em São Paulo, na Avenida Nove de Julho, 3.166. São dois projetos de portes diferentes, mas cada um tem sua importância.


Apesar das boas notícias, o trabalho está apenas começando. Para acabar definitivamente com a pobreza, é necessário que ocorram mudanças estruturais profundas em toda a sociedade, que possibilitem uma distribuição de renda mais equilibrada. Mas, enquanto isso não acontece, o Terceiro Setor tem a importante missão de fazer com que milhões de excluídos tenham acesso à educação, saúde, segurança, lazer e moradia, tendo, assim, condições mínimas para lutar por sua felicidade. Você e sua família também podem participar!

Conheça algumas instituições

Fundação Orsa

Objetivo: Formar integralmente a criança e o adolescente em situação de risco pessoal e social.

Projetos principais: na área de educação, há o PISCC (Programa de Inclusão Social e Construção da Cidadania) que atende crianças e adolescentes entre 7 e 17 anos. Na área de promoção social, um serviço telefônico, o "Alô Vida", fornece orientação e encaminhamento para os casos de violência, deficiência ou adoção. Na área de saúde, vem sendo realizado o "Programa de Disseminação do Método Mãe Canguru".

Como ajudar: por meio de doações ou como voluntário.

Mais informações: www.fundacaoorsa.org.br
ou (11) 4181 2232.
Outra opção é agendar uma visita à sede em Carapicuíba, São Paulo.

Instituto Ayrton Senna (IAS)

Objetivo: contribuir para que todas as crianças e todos os adolescentes possam desenvolver plenamente seu potencial como pessoas e cidadãos.

Projetos principais: dentre os inúmeros projetos do IAS, há o "Se liga, Goiás", que combate o analfabetismo no ensino fundamental das escolas públicas de municípios de Goiás. O "Adotei um Sorriso" oferece atendimento odontológico gratuito a crianças e adolescentes de baixa renda. No projeto "Casa da Criança", profissionais ligados às áreas da construção civil organizam mutirões para reformar abrigos de crianças e adolescentes em situação de risco. O IAS também realiza palestras, seminários e premia jornalistas que colocam o desenvolvimento de crianças e adolescentes no centro de sua pauta, através do Grande Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo.

Como ajudar: compre produtos da marca "Senninha", pois o lucro obtido é revertido aos projetos do IAS.
Mais informações www.senna.org.br . Para saber mais sobre o projeto "Adotei um Sorriso", ligue para 3081-0699 ou acesse o site www.fundacaoabrinq.org.br/adoteiumsorriso
Profissionais engajados nesse projeto recebem o selo "Adotei um Sorriso", que pode ser usado em receituários e materiais de divulgação.

Fundação Bradesco

Objetivo: proporcionar de forma gratuita a formação educacional de crianças, jovens e adultos, sobretudo aos menos favorecidos economicamente, através da instalação de Unidades Escolares, preferencialmente em regiões de acentuadas desigualdades sociais.

Principais projetos: a Fundação Bradesco oferece alimentação, material escolar e assistência médico-odontológica a todos os alunos matriculados na educação básica de 38 escolas, distribuídas em 25 dos 26 estados brasileiros e Distrito Federal. Este projeto beneficia mais de 103 mil alunos. A Fundação Bradesco também desenvolve outros projetos em
parceria com empresas e instituições.

Como ajudar: a Fundação Bradesco é mantida exclusivamente com recursos advindos de doações das empresas ligadas à Organização Bradesco.

Mais informações: www.fundacaobradesco.org.br

Pastoral da Criança

Objetivo: proporcionar vida digna e saudável para as crianças desde a gestação até os seis anos de idade.

Projetos principais: os voluntários da Pastoral acompanham famílias que vivem nos bolsões de pobreza em todo o país. São desenvolvidos projetos nas áreas de saúde, nutrição, educação e cidadania, na intenção de prevenir problemas como desnutrição, analfabetismo e doenças.

Como ajudar: seja um voluntário ou faça uma doação no Banco do Brasil, agência 1244-0, conta 23889-9.
Mais informações: www.pastoraldacrianca.org.br
ou (41) 336-0250.

Conheça também:

Projeto Intel - Educação para o Futuro
www.intel.com/portugues/educacao/index.htm

Ação da Cidadania, contra a Fome, a Miséria e pela Vida
www.acaodacidadania.com.br

Fundação Abrinq
www.abrinq.org.br

Fala Preta!
Organização de Mulheres Negras
www.falapreta.org.br

Moradia e Cidadania
www.moradiaecidadania.org.br

Missão Criança
www.missaocrianca.org.br

Para saber mais:

www.filantropia.org.br

www.voluntarios.com.br


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Bullying, violência na escola 01/08/2004 às 11:19:00

Humilhação, intimidação, ameaça. Diariamente, estudantes de todas as idades são vítimas desse tipo de violência moral na escola. Os agressores são seus próprios colegas. Como lidar com essa situação?

   
Aumente a renda da sua família! 01/08/2003 às 21:47:00

Se você teve de abandonar a carreira para cuidar dos filhos ou está desempregada, saiba que existem muitas maneiras alternativas de ganhar dinheiro. Não é preciso nem sair de casa!

   
Manual do ficar, especial para pais 17/06/2002 às 15:36:00

Para os pais que não viveram a onda do "ficar".