Domingo, 19 de novembro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Brincando também se aprende!

Por Carla Oliveira *


Brincar é muito importante e, mais do que isso, um direito das crianças. Por isso, não subestime essa atividade!

"Toda criança tem o direito ao descanso e ao lazer, e a participar de atividades de jogo e recreação, apropriadas à sua idade, e a participar livremente da vida cultural e das artes". É isso o que afirma o artigo 31 da Convenção dos Direitos da Criança da ONU - Organização das Nações Unidas.


Quando se fala em criança, a brincadeira realmente é um assunto sério. Brincar, além de divertido e prazeroso, é essencial para o desenvolvimento e o aprendizado dos pequenos. Existe até uma ONG internacional que defende essa causa: a IPA - International Play Rights Association. Sua afiliada brasileira, a IPA Brasil - Associação Brasileira pelo Direito de Brincar - foi fundada em 1997.

Por que brincar?

"O brincar é o mundo da criança, é através dele que ela se manifesta. A criança pequena usa da brincadeira para imitar, e assim experimentar, suas relações com o mundo e com as outras pessoas. Quando maiores, os jogos vão requisitar o raciocínio, a inteligência, as relações sociais e de afetividade, o desenvolvimento físico, a acuidade dos sentidos e as questões éticas", explica Vânia Dohme, ludoeducadora em São Paulo.


Vânia também destaca a importância de brincar em grupo para o desenvolvimento social. Em grupo, a criança aprende a liderar, ser liderada, cooperar, compartilhar e, além disso, descobre e desenvolve suas próprias habilidades e a de seus colegas. "Ela aprenderá que corre muito, é ágil, mas que seu companheiro que não é ágil, é inteligente, criativo, e um terceiro tem grande habilidade artística", afirma Vânia. Com o tempo, a criança começa a valorizar e tolerar os demais, e aprende a importância do trabalho em equipe. "Ela reconhece que cada qual tem o seu valor, e aprender a explorar positivamente estes valores em prol do grupo", ressalta a ludoeducadora.

Ensinar brincando

Vânia defende o uso de brincadeiras e jogos na sala de aula como um veículo para o aprendizado. "Quando forçamos a criança a assistir às aulas sentada, de forma passiva, estamos indo contra a sua natureza, que é ruidosa e alegre. Quando brincamos, estamos indo ao mundo da criança, a adesão é fácil, ela participa com interesse, rende melhor e estabelece uma relação de confiança com seus colegas e com o educador", ressalta.


Para Vânia, a brincadeira é uma ferramenta excelente para desenvolver as múltiplas inteligências da criança. "Como desenvolver a atenção, o raciocínio lógico, a imaginação? Contando histórias. Como desenvolver a habilidade social, o relacionamento? Com jogos de equipe. Como desenvolver a habilidade de expressão verbal e corporal? Fazendo dramatizações. Como desenvolver habilidades artísticas e criativas? Fazendo artesanatos, trabalhos manuais", afirma.


Os professores devem inserir brincadeiras que estejam à altura da compreensão e interesse das crianças, com desafios instigantes. E, além disso, que contenham uma mensagem educacional adequada ao conhecimento que se deseja transmitir. "Uma atividade ludoeducativa de qualidade é aquela que entrelaça um bom jogo com uma mensagem de qualidade", define Vânia.

O papel dos pais

Valorizar o brinquedo e acompanhar a brincadeira dos filhos: essa é a função dos pais. Isso não significa necessariamente sentar e brincar junto - o que é muito bom, mas nem sempre possível - mas não encarar o brinquedo apenas como algo que irá distrair o filho enquanto os pais fazem outras coisas.


Quando for comprar um brinquedo, escolha aquele que permite uma interação, e despreze aqueles que seu filho quer só porque todo mundo tem, e que depois de uma semana estará jogado num canto. "A oferta de brinquedos deve ser ao longo do ano, e não concentrada no Natal e no aniversário. Uma boneca, por exemplo, poderá ir recebendo roupinhas, acessórios e móveis aos poucos, gerando uma relação de afetividade e compromisso das crianças", destaca Vânia.


Segundo a ludoeducadora, os pais também devem saber que a criança necessita de convívio com outras crianças e que na escola, no balé ou no judô, nem sempre ela tem espaço para a brincadeira espontânea. Assim, eles precisam proporcionar situações em que seus filhos brinquem com a turma.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Crianças especiais 05/11/2003 às 13:40:00

Classes regulares aceitando alunos com necessidades especiais já são realidade em algumas escolas. Naturalmente, como em toda reformulação, existem dúvidas dos pais. Será positiva a convivência entre crianças com diferenças mais acentuadas?

   
Ensinando a pensar 13/08/2001 às 14:58:00

O que é mais importante em uma escola: matérias e conteúdo ou que o aluno aprenda a pensar?

   
Milho, o rei dos cereais. E da garotada! 15/09/2003 às 20:36:00

O milho faz um enorme sucesso entre as crianças e, além de saboroso, é muito nutritivo. Aprenda a fazer doces e salgados deliciosos com esse cereal. As receitas são da turma do Sitio do Picapau Amarelo!

   
Solidários desde a infância 05/04/2001 às 16:29:00

Você sai de carro com seu filho. Ao aproximar-se de um sinal, uma criança se aproxima da janela e, rapidamente, você fecha os vidros. Seu filhote fica supreso, parece não entender o que se passa. Como falar de nossos medos? Como explicar o inexplicável?

   
Capoeira, esporte, lazer e educação 05/04/2001 às 17:22:00

Os pequenos aprendem o 'au', aplicam 'meia-lua de frente' e se esquivam para o lado. A capoeira chegou na vida da garotada, pegando carona nos 500 anos do Brasil que reacendeu uma paixão pela cultura nacional.