Quinta-feira, 27 de julho de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Estatura nem sempre é problema

Por Julienne Gananian * em 03/07/2001


Seu filho reclama que os amiguinhos da escola estão crescendo e ele está "ficando para trás". Conheça os fatores que alteram o crescimento da criança e os motivos pelos quais ela pode ser "baixinha".

Nem sempre crianças e adolescentes baixos têm problemas relacionados à saúde. Muitas vezes trata-se apenas de um fator genético, mas isso pode se tornar uma grande preocupação. "É comum os pais virem ao consultório ao perceberem que seu filho é um dos mais baixos da turma. Outras vezes o próprio pediatra detecta que a criança, de repente, parou de crescer ou sofreu uma diminuição na velocidade do crescimento" explica a pediatra-endocrinologista Teresa Vieira.


Existem tabelas que indicam, de acordo com a idade e o sexo, a estatura média e o padrão de crescimento, isto é, quanto as crianças devem crescer a cada ano. A pediatra explica que apenas 3% das crianças se encaixam no padrão "baixo". Isto significa que, de cada 100 crianças, apenas três serão consideradas pequenas. Só que, dessas três, 85% são normais. Então por que elas são baixas? "Elas não crescem mais porque herdaram da família esses genes, essas características. Cada pessoa tem o seu "canal" de crescimento, a partir dos dois anos. Existem os que são sempre altos, os que estão sempre na média e os que são sempre baixos", conclui a médica.

Quanto crescemos por ano?

Teresa Vieira explica que a época em que as pessoas mais crescem, durante a vida inteira, é ainda na barriga da mãe, no segundo trimestre da gravidez. Depois que a criança nasce, no primeiro ano de vida também cresce muito: cerca de 25 centímetros.


Conforme ela vai ficando mais velha, a velocidade de crescimento vai diminuindo. A partir dos três anos, o crescimento é de 5 a 7 centímetros por ano até que, de repente, o adolescente "estica". Isto ocorre quando ele entra na puberdade e começa a produzir os hormônios dos ovários ou dos testículos, o que ocorre nas meninas aos 10 anos e nos meninos dos 10 aos 11 anos, em média.


Esse rápido crescimento chama-se estirão e determina a última "arrancada", pois dois tipos de hormônios atuam juntos: o de crescimento e o sexual (feminino ou masculino). Depois disto, por volta dos 16 aos 18 anos, todos param de crescer. A estatura média das mulheres gira em torno de 1,63 m e dos homens 1,73m.

Doenças que prejudicam o crescimento

"A maioria das causas de mau-crescimento não são endocrinológicas, isto é, não são devidas a problemas hormonais", diz a dra. Teresa.
Pode-se dividir as causas de baixa estatura em dois grandes grupos:


  • crianças baixas saudáveis, que não têm nenhum problema de saúde e apenas herdaram os "genes baixos" da família. Elas podem, também, ter adquirido da família um padrão lento de crescimento: são baixas durante a infância e crescem e amadurecem mais lentamente. Em compensação, crescem por mais tempo e acabam atingindo uma estatura compatível com a esperada para seu padrão familiar.


  • crianças baixas que têm uma doença prejudicando seu crescimento. Qualquer doença que interfira com a nutrição ou com o transporte de oxigênio para as células prejudica o crescimento.
    Alguns exemplos são:

    - anemia grave

    - doenças renais (dos rins)

    - doenças gastrointestinais (do intestino)

    - doenças hepáticas (do fígado)

    - doenças pulmonares graves

    - cardiopatias (doenças do coração)

    - doenças do sistema nervoso

    - desnutrição

    - problemas emocionais


    Há doenças congênitas (de nascimento) que são acompanhadas pela baixa estatura, como algumas síndromes genéticas (como a síndrome de Down) e doenças ósseas.

    As doenças endocrinológicas como o hipotireoidismo, diabetes e a deficiência de hormônio de crescimento são causas raras de baixa estatura mas, uma vez diagnosticadas, são plenamente tratáveis.


    Os pais devem estar atentos para os seguintes sinais de alerta de baixo crescimento:



    - a criança custa a perder os sapatos, pois os pés não crescem. As roupas ficam velhas e ainda servem;

    - ela começa a ficar para trás em altura em relação aos amiguinhos ou seu irmão mais novo ultrapassa sua estatura;

    - ela começa a não ganhar peso adequadamente ou a emagrecer; passa a queixar-se freqüentemente de dor de cabeça, dores abdominais, nos membros ou nas articulações; passa a ter mau aproveitamento escolar;

    - a adolescente de 13 anos ou o adolescente de 15 ainda não mostrou
    sinais de puberdade.


    Ao perceberem que algumas das situações acima estão acontecendo, a melhor coisa que os pais têm a fazer para proteger a saúde e o crescimento de seus filhos é procurar o pediatra. Ele poderá decidir se o que está acontecendo é realmente uma razão para preocupação.


    O pediatra utiliza uma curva de crescimento para avaliar seus pacientes. Compara a altura da criança com a de outras da mesma idade e mostra o padrão de crescimento dela ao longo dos anos. Ele também conversa com os pais e examina a criança para obter indícios da causa do mau crescimento.


    "Quando a criança está abaixo da curva padrão de crescimento ou está se desenvolvendo abaixo do esperado para a idade, as doenças mais comuns são investigadas em primeiro lugar. Não descobrindo nada, aí o médico analisa as causas mais raras, como as endocrinológicas", explica Teresa Vieira. O paciente pode apresentar uma doença da tireóide, ou problemas na hipófise, que produz o hormônio de crescimento, chamado de GH. A criança pode não estar produzindo este hormônio, ter desenvolvido um tumor nessa região ou ainda apresentar outras causas hormonais que deverão ser investigadas.

    Alguns tratamentos

    Quando for descoberta uma doença que esteja interferindo com o crescimento, a dra. Teresa diz que esta deverá ser controlada para que a criança volte a crescer bem. Quando se constatar deficiência hormonal (falta de hormônio tireoidiano ou de crescimento), a reposição deverá ser feita em doses apropriadas. Problemas emocionais devem ser abordados e tratados por especialistas que trabalharão com a criança e sua família.


    Mas, de repente, os pais podem querer que seu filho cresça apenas "mais um pouquinho", ainda que ele não apresente nenhum problema. "Se a criança não tem nenhuma doença, se não há deficiência hormonal e ela herdou os genes baixos da família, o médico tem que explicar que ser baixo não é uma doença" alerta a endocrinologista.


    Ela explica que hoje em dia vivemos na era do "culto ao corpo", em que as pessoas podem manipular sua imagem de diversas maneiras, com exercícios especiais, cirurgias plásticas ou remédios. Algumas acreditam que, no caso da baixa estatura, se o médico receitar hormônio de crescimento a pessoa crescerá o quanto desejar.


    Segundo a médica, este é um raciocínio simplista e obviamente subestima a complexidade de um quadro de baixa estatura. Deve-se ter muito cuidado com a manipulação: se uma criança que não tem nenhuma deficiência de hormônio de crescimento tomar este hormônio, poderá até ter sua puberdade antecipada. Ela cresce durante um tempinho, mas logo pára, não se beneficiando deste tratamento que é à base de injeções diárias e muito caro.

    Confira o que os pais podem fazer para garantir um bom crescimento

    Teresa Vieira indica alguns fatores que ajudam a criança a crescer bem e saudável:


    - Um ambiente de amor e harmonia é muito importante para o desenvolvimento do corpo e dos mecanismos psíquicos da criança. Quando ela é maltratada ou vive em lares desajustados, onde seus pais não a amam ou a rejeitam, ela não cresce.


    - Atividades físicas: exercícios aeróbicos como natação, dança, corrida, bicicleta, aumentam o apetite, fortalecem os músculos e contribuem para um crescimento saudável.


    - Alimentação variada, englobando alimentos de todos os grupos como carbohidratos, proteínas, gorduras, frutas, vegetais, é importante para que as células tenham nutrientes para crescer.


    "Enfim, se a baixa estatura for tratável, ótimo. Vamos tratá-la corretamente. Se não for, tudo bem. Vamos ajudar nosso filho a crescer autoconfiante, adaptado, seguro de seus pontos fortes, apto a enfrentar desafios e a ser feliz" conclui Teresa Vieira.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    As dificuldades do autismo 26/07/2001 às 14:12:00

    Autismo é uma questão delicada, que muitos pais têm dificuldades em aceitar e tratar da forma correta. Conheça melhor as faces dessa condição.

       
    Problemas todos temos 11/07/2002 às 14:11:00

    Dificuldades em casa: ansiedade, medo, vergonha de partilhar? Quando e por que abrir o jogo na escola?

       
    Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

    Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

       
    A ditadura da violência 21/12/2003 às 22:24:00

    Como os jovens poderão experimentar a tão sonhada liberdade vivendo num mundo extremamente violento e amedrontador? E os pais, conseguirão dormir tranqüilos com seus filhos soltos pela cidade?

       
    Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

    Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?