Quarta-feira, 28 de junho de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Que coceira!

Por Dr. Leonardo Posternak * em 06/04/2001


Desde os primeiros meses de vida os bebês podem ter caspas, fruto da intensa produção de gordura das glândulas sebáceas. Quando crescem e entram na fase escolar, as crianças ficam vulneráveis às epidemias de piolho. Aprenda o que fazer nessas situações.

Seu filho foi para a escola e voltou reclamando de uma coceira horrível na cabeça. Quando você decide vasculhar o couro cabeludo dele, encontra minúsculos pontinhos cinzentos movimentando-se lentamente. Não entre em pânico! Mas saiba que ele está com piolho.


Por mais cuidadosa que você seja, é impossível proteger totalmente seu filhote durante uma epidemia. Na fase escolar, o contágio é muito fácil. Fato consumado, a única saída é iniciar um tratamento para impedir a proliferação desses parasitas e diminuir as chances de transmissão para outros membros da família. O piolho é muito ágil e passa para a cabeça do vizinho num piscar de olhos.


Para você ter a certeza de que seu filho está contaminado, verifique o pescoço. Logo nas primeiras horas, a pele próxima à nuca fica irritada. Se o local estiver vermelho ou com bolhinhas d´água, o diagnóstico é positivo.


Ligue para o pediatra e peça uma orientação. Certamente ele indicará uma loção cremosa e um xampu específico. Aplique o creme no couro cabeludo, cubra com uma touca e deixe agir por 30 minutos. Em seguida lave com o xampu. Depois penteie o cabelo com um pente fino embebido no vinagre, que ajuda a remover os ovos ou lêndeas que restaram nos fios.


Repita o processo por 5 a 8 dias. Esse período costuma ser suficiente para eliminar todo o ciclo do piolho. Mesmo que nas primeiras 24 horas eles tenham aparentemente morrido, um único ovo remanescente é capaz de reiniciar o processo, infestando toda a cabeça novamente.

Caspa

Comum em pessoas de pele muito oleosa, seu nome clínico é dermatite seborréica. A caspa pode aparecer no couro cabeludo, em crianças de qualquer idade, até nos bebês carecas e, normalmente, provoca coceiras. O tamanho das placas esbranquiçadas varia. À medida que desprendem da superfície capilar, a irritação diminui.


O problema é decorrente da excessiva produção de gordura pelas glândulas sebáceas. Infelizmente, não há cura para esse incômodo. O mais aconselhável, no entanto, é evitar alimentos gordurosos, que podem contribuir para o aumento da oleosidade do organismo como um todo.


Existem, no mercado, cosméticos específicos para combater a caspa, mas eles não curam o problema. Antes de comprar qualquer produto, consulte o pediatra ou o dermatologista, que dará orientação adequada quanto a possíveis reações alérgicas.


* Dr. Leonardo Posternak é médico pediatra,
membro do Departamento de Pediatria do Hospital Israelita Albert Einstein.
Co-autor do livro
E Agora, o que Fazer? A Difícil Arte de Criar os Filhos
, Editora Best Seller.
Autor de
O Direito a Verdade - Cartas Para Uma Criança
, Editora Globo.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Problemas todos temos 11/07/2002 às 14:11:00

Dificuldades em casa: ansiedade, medo, vergonha de partilhar? Quando e por que abrir o jogo na escola?

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Paz em casa 31/07/2002 às 13:46:00

Dicas preciosas da revista Meu Nenê e Família

   
Manual do ficar, especial para pais 17/06/2002 às 15:36:00

Para os pais que não viveram a onda do "ficar".