Sábado, 29 de abril de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

O milagre da vida

Por Dr. Thomaz Rafael Gollop * em 24/11/2000


Sua menstruação falhou? O teste foi positivo? Comemore! A gravidez planejada é a realização de um dos mais belos projetos de vida! Agora, prepare-se para viver grandes transformações.

Os sintomas da gravidez variam de mulher para mulher. Algumas enjoam, outras não. Umas sentem muita fome, outras perdem o apetite. As primeiras 14 semanas de gestação trazem sensações novas e absolutamente normais. Confira quais são elas:


  • Seios aumentados ou sensíveis: mudanças nos seios, depois da menstruação, são o sinal mais evidente de gravidez. O aumento de volume dos seios, que normalmente antecede o período menstrual, acentua-se na gravidez. Eles crescem de maneira gradual e permanente: por volta da 6a semana estarão visivelmente maiores. Cresce a quantidade de veias localizadas em sua superfície, ocasionando o aumento da sensibilidade. Não se preocupe: tudo isso faz parte da preparação para grandes momentos de muito prazer com seu bebê, na amamentação. Saiba que não há músculos nos seios, portanto arme-se de sutiãs adequados e use-os durante toda a gestação. Assim, quando seu bebê for desmamado, eles voltarão à antiga forma mais rapidamente.


    Curiosidade:

    Você sabia que as primeiras fêmeas da espécie humana não tinham seios? Pois é: eles fazem parte da evolução da espécie e se originam de uma glândula sebácea modificada para produzir o leite.



  • Enjôo: sintoma de 9 entre 10 grávidas, varia de mulher para mulher e normalmente se manifesta durante a manhã. As alterações hormonais, químicas e metabólicas são apontadas como causadoras desse terrível incômodo: provocam o relaxamento de músculos involuntários e conseqüente dilatação de artérias sanguíneas, que resulta na queda de pressão, também responsável por enjôos e tonturas. Normalmente ele desaparece após os três primeiros meses de gestação e pode ocasionar perda de apetite e peso. Para driblar o mal-estar, procure comer quantidades pequenas de alimentos, sempre acompanhados de líquido, entre as principais refeições; evite preparações gordurosas e, finalmente, fuja das roupas muito apertadas ou desconfortáveis, que só vão agravar esse incômodo.


    Curiosidade:

    O enjôo é uma conseqüência da ação hormonal da placenta e pode significar sua correta formação.


  • Necessidade constante de urinar: este é um dos primeiros sinais de gravidez e, normalmente, perdura pelos nove meses. Esse fenômeno se deve a um congestionamento vascular em volta da bexiga, que está sendo comprimida pelo útero em crescimento. Não há nada que se possa fazer contra isso; no entanto, para evitar ter de se levantar muitas vezes durante a noite, tente reduzir a ingestão de líquidos após as 20 horas. Esse sintoma é perfeitamente normal, mas note bem: se a necessidade de urinar vier associada a dor, queimação ou sangramento, procure seu médico, porque estes podem ser sinais de infecção.


    Nas seis ou oito últimas semanas de gravidez, a necessidade de urinar com muita freqüência também está associada aos movimentos da cabeça e dos pés do bebê pressionando a bexiga. Nessa fase, não se impressione, também, se não conseguir controlar a urina, especialmente se estiver tossindo ou espirrando. Depois do parto, a bexiga volta ao normal, e, acredite, muito mais rápido se você fizer exercícios pélvicos indicados por seu médico para esse período.


  • Prisão de ventre: a tendência a prisão de ventre se desenvolve graças à progesterona, que promove um relaxamento do intestino, limitando o pleno exercício de suas funções. Você pode amenizar o problema tomando no mínimo 2 litros de líquido por dia e comendo uma boa variedade de frutas e verduras ricas em fibras.



  • Aumento de secreção vaginal: a secreção vaginal tende a ocorrer durante toda a gestação, causada pelo aumento do fluxo sanguíneo para a região pélvica. Mas ela deve ser sempre clarinha, livre de dor ou irritação. Se isso não acontecer, procure seu médico.



  • Cansaço de todas as horas: a fadiga desta fase é, na verdade, um "truque" da natureza para obrigá-la a diminuir o ritmo. Não lute contra isso, é normal. Permita-se algumas horas a mais de descanso. Tenha paciência: no final da 14a semana você deverá sentir sua energia voltar.


  • Repulsa a odores e sabores: este um clássico indício de gravidez: de repente, aquele delicioso cheiro de café pode se tornar insuportável! O mesmo acontece com determinados alimentos.


  • Tonturas ou desmaios: muitas gestantes sentem tontura nas primeiras semanas de gravidez e, às vezes, chegam a desmaiar. Isso acontece devido à redução da pressão sanguínea no cérebro. Evite ficar de pé, parada, durante muito tempo. Mas, quando for inevitável, trate de se mexer um pouco para ativar a irrigação. Em caso de tontura, respire profundamente algumas vezes: o movimento do peito ajuda o sangue a voltar ao coração e a pressão sanguínea voltará ao normal.


    * Dr. Thomaz Rafael Gollop é obstetra, ginecologista, geneticista; professor responsável pela disciplina Aconselhamento Genético do Curso de Pós-Graduação no Departamento de Biologia do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Emagrecendo após a gravidez 10/09/2001 às 15:48:00

    Descubra os exercícios mais indicados e algumas dicas para que a mamãe emagreça após a gestação.

       
    Sol na medida certa 29/01/2001 às 14:13:00

    O sol faz bem à saúde, mas nada de exageros. Nem muito nem tão pouco. Conheça os segredos para manter a pele de seu filhote bem cuidada e longe das agressões das queimaduras.

       
    Entrevista da Rafaela 17/10/2012 às 22:33:57

    Leia aqui o que os filhos têm a dizer sobre a educação bilíngue.

       
    Dentes saudáveis para sorrir sempre! 26/03/2012 às 11:31:01

    No boletim Clicfilhos deste mês: saúde dos dentes, calendário e preparativos para a Páscoa!

       
    Síndrome de Down 23/11/2000 às 17:03:00

    Aprenda mais sobre a síndrome que afeta milhares de crianças ao redor do mundo. Não há cura para ela, mas os tratamentos já garantem uma melhor qualidade de vida para essa população.