Sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Ah... a paixão pela professora!

Por Lucy Casolari *


Os olhinhos estão brilhantes, os bilhetes caprichados e, quando sai para a aula, ele sempre dá um jeito de levar uma flor, um bombom... Seu filho caiu de amores pela professora!

Tudo isso pode ser muito bom para o seu garoto. O afeto que sente estimula seu interesse pela aprendizagem, pois para agradar a querida mestra ele fará, sem dúvida, as lições com o maior empenho. Todos concordam que um bom relacionamento é essencial para o desenvolvimento escolar. Mas as mães, diante dessa situação, muitas vezes se questionam se tudo é tão tranqüilo. Ficam inquietas quando observam o seu menino falando demais na professora, demonstrando excessiva admiração, escrevendo cartas colocadas em envelopes fechados e, cuidadosamente, escondidas na mochila...


Se isso acontece até os 7 ou 8 anos, segundo os psicólogos, não há motivo para tanta preocupação: são quadros rotineiros e considerados normais. Afinal, quando as crianças iniciam a vida escolar costumam enxergar a professora como aquela que está representando a família, sua principal referência, seu porto seguro. Na sala de aula é, inclusive, muito comum chamarem pela mãe, quando pedem alguma ajuda nas tarefas, se machucam ou sentem dores. A partir desse vínculo tão forte, a professora pode vir a ser o primeiro grande amor de um aluno.

Quando a paixão bate

Algumas crianças são mais susceptíveis a essas paixões: pode-se dizer que sua autocensura é menor e, conseqüentemente, têm mais facilidade para lidar com seus sentimentos. Nesse caso, o garoto estará desenvolvendo, ainda, mais a sua capacidade de se expressar afetivamente. Outros, por sua vez, se debatem entre o que sentem realmente e o temor de não serem correspondidos ou de serem ridicularizados pelos colegas.


A sensibilidade da professora será fundamental para perceber e acolher as emoções desses alunos, dando-lhes algum tipo de retorno positivo. Ao demonstrar que percebe e valoriza seus esforços para agradá-la, por exemplo, estará favorecendo que reconheçam tais sentimentos como legítimos.


De todo modo, é importante que bilhetes ou presentinhos sejam recebidos com afeto, para que os apaixonados se sintam acolhidos. Da mesma forma, deve ficar claro, para eles, que a professora é de todos os alunos da classe e, portanto, precisa atender a todos. Assim, os "românticos de plantão" terão que dividi-la com os outros, sem direito a privilégios ou atenções especiais.

Lidando com o apaixonado em casa

Ao perceber essas situações, a postura dos pais de acolhimento e respeito aos sentimentos da criança poderá garantir uma maior tranqüilidade no desenrolar da história. Procure evitar, portanto, os comentários jocosos ou a exposição de seu filho diante de pessoas não tão próximas.Talvez ocorram momentos mais difíceis, pois a professora estará sempre "certa", comparada aos pais que estarão sempre "errados".


Lembre-se de que essa é uma reação típica dos enamorados que não conseguem perceber os defeitos e falhas de seu objeto da paixão. Se a família se sentir atingida e reagindo de forma contrária, tudo tende a se complicar. A mãe, principalmente, precisa manter o equilíbrio e a calma e não enxergar a professora como rival, ou sentir ciúmes dela. Passado o auge da paixão, tudo tende novamente à normalidade e o garoto vai, aos poucos, conseguir elaborar esse grande amor.


Da mesma forma que esse sentimento é positivo ao estimular o interesse em aprender e um bom rendimento, é necessário que os pais estejam atentos para perceber se a criança não está dependente demais da professora. Se estiver requisitando sua ajuda, a todo momento, até para realizar o que já poderia resolver com mais autonomia, é possível que a paixão esteja atrapalhando o seu crescimento.


Se a ligação estiver tão forte que o menino só tem olhos para a mestra e deixa de se relacionar com os colegas de classe, o caso merece, também, uma observação mais próxima. De qualquer maneira, é importante que os pais entrem em contato com a escola para terem informações mais precisas e detalhadas. A professora e a orientadora terão condições de avaliar o que acontece dentro da sala de aula e de discutir com a família a melhor forma de acompanhar e lidar com a situação.

Outros amores

Muitos adultos se lembram de um mestre especial a quem dirigiram todo seu afeto e carinho, embora não fosse do sexo oposto. Pode não ter sido um grande amor, mas deixou, certamente, boas lembranças e saudades. Isso acontece com as meninas e, também, com os meninos. As garotas quando tomadas de encantamento pela professora procuram imitá-la nas roupas, cabelos e nos jeitos de falar e andar. Claro, fazem de tudo para agradá-la: capricham nas lições, ajudam em classe, carregam seus materiais, apagam a lousa, e escrevem bilhetes carinhosos.


Os meninos, por sua vez, quando veneram o professor, fazem de tudo para se aproximar dele, puxam conversa, imitam sua forma de falar, procuram descobrir seus gostos, se esmeram nas pesquisas, citam com muita freqüência e admiração suas opiniões e brincadeiras.

Aprender a conviver

Ao longo da vida escolar, as crianças terão contato e formarão vínculos de afeto com muitos professores.. Gostarão muito de alguns, um pouco menos de outros e haverá aqueles que serão simplesmente suportados... Podem acontecer, inclusive, casos de total incompatibilidade, absoluta falta de empatia, o que é bem difícil de lidar. Em qualquer dos casos, haverá sempre o tempo de se envolver afetivamente e, em algum momento, a hora de se desligar, pois professores são vínculos transitórios na vida dos seus alunos.


Essa convivência diversificada ensina as crianças a lidar com uma quantidade maior de pessoas, além da família. É, sem dúvida, uma das funções mais importantes da escola. Possibilita a oportunidade de ampliar o círculo de relações e de experimentar uma gama maior de afetos, passando pelo amor, admiração, tolerância e, às vezes, quase ódio. Lidar com tudo isso é uma experiência fundamental para o desenvolvimento emocional, e é para isso, também, que crianças precisam freqüentar a escola.


* Lucy Casolari é pedagoga e educadora


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Momento Clicfilhos - Leitura, desafio de pais e professores 13/02/2020 às 16:18:58

Habituar os filhos a mergulhar nos livros nem sempre é fácil. Aprenda, aqui, como estimulá-los.

   
Momento Clicfilhos - Um tempo para cada filho 13/02/2020 às 12:55:03

Todos os filhos são diferentes. Por isso merecem tratamento personalizado, que atenda às necessidades individuais. Se você conseguir criar um espaço para cada uma das suas crianças, elas se sentirão mais felizes. E você também!

   
Rádio Tom Social - Entrevista Cida O'Sullivan 17/09/2010 às 13:21:15

Uma das fundadoras do Clicfilhos, Cida O'Sullivan, faz um bate papo na Seção Espaço Aberto da Rádio Tom Social

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Manual do ficar, especial para pais 17/06/2002 às 15:36:00

Para os pais que não viveram a onda do "ficar".