Quinta-feira, 22 de junho de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Virando peixe

Por Luiza Helena Marcondes *


A natação para bebês amplia a integração entre a mãe, o pai e a criança e traz benefícios. Confira!

"Colocamos o Victor na natação quando ele tinha cinco meses de idade. No princípio, eu e meu marido queríamos curtir o desenvolvimento do bebê e ficar mais tempo com ele. Assim, duas vezes por semana nós o acompanhávamos dentro da piscina. Nas primeiras aulas, ele apenas prendia a respiração e soltava bolhinhas embaixo d´água, depois começou a mexer as pernas e os braços. Aos 2 anos e meio, já conseguia ficar sozinho dentro da piscina e hoje, aos 3 anos, atravessa uma piscina de 7 metros". Anna Cristina da Costa Uchôa, jornalista.



A idade para começar a natação pode variar entre os 5 meses e os 2 anos. O bebê, nessa fase, é sempre acompanhado pelos pais ou responsáveis. Os motivos são simples: além de estranhar o professor, ele normalmente não tem muita intimidade com a água e pode se assustar. "Nas aulas o bebê basicamente perde o medo da água, aprende a controlar a respiração e a boiar, mas ainda não consegue realmente nadar", destaca o professor de natação Marcelo Ferraz de Oliveira, da AcquaCenter, em São Paulo.


A mãe fica o tempo todo na piscina aquecida com o filho durante a aula, segurando-o e ajudando-o nos movimentos. Os procedimentos passados pelo professor são feitos lentamente para o bebê ficar relaxado e interagir com a água. "Algumas mães dizem que depois da aula os filhos dormem mais tranqüilos", conta o professor.
Além de ficarem mais calmos, os bebês têm a oportunidade de conviver com outras crianças, desenvolvem a coordenação motora, o sistema vascular e respiratório. Entretanto, para obter estes resultados o professor recomenda entre 45 minutos e 1 hora de aula duas vezes por semana. "Com essa freqüência ele se adapta mais rápido e adquire ritmo".

Consulte o pediatra

A criança fica independente da mãe ou do pai, dentro da água, entre 1 ano e meio e 2 anos de interação com a piscina. "Varia muito de criança para criança, mas em média após esse período ela já consegue se manter à tona sozinha", completa Oliveira. Depois dos 4 ou 5 anos seu filho atinge um grau de desenvolvimento e coordenação que permite a ele aprender as técnicas e estilos como costas, peito, borboleta, etc.

Antes de procurar uma escola de natação para seu bebê consulte o pediatra e verifique se seu filho pode começar a freqüentar as aulas. Certifique-se de que ele não tenha alergia ao cloro e nem problemas cardíacos.

Os professores de natação também contra-indicam o esporte quando o bebê estiver gripado, pois eles gastam muita energia durante e aula. A freqüência nas piscinas deve ter pelos menos um intervalo de 48 horas.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Sol na medida certa 29/01/2001 às 14:13:00

O sol faz bem à saúde, mas nada de exageros. Nem muito nem tão pouco. Conheça os segredos para manter a pele de seu filhote bem cuidada e longe das agressões das queimaduras.

   
Capoeira, esporte, lazer e educação 05/04/2001 às 17:22:00

Os pequenos aprendem o 'au', aplicam 'meia-lua de frente' e se esquivam para o lado. A capoeira chegou na vida da garotada, pegando carona nos 500 anos do Brasil que reacendeu uma paixão pela cultura nacional.

   
Diversão para a família inteira 08/02/2001 às 14:32:00

Barra Bonita merece o apelido de "Cidade Simpatia". Às margens do Rio Tietê, num trecho já despoluído e de águas muito límpidas, abriga a mais antiga eclusa da América Latina. As crianças adoram visitá-la!

   
Vamos lá, Brasil! 12/08/2004 às 11:52:00

As Olimpíadas trazem à tona valores como patriotismo, companheirismo, dedicação e persistência. Assista à competição junto com seus filhos e aproveite para passar mensagens importantes para eles.

   
Gripe: com ou sem vacina? 26/04/2001 às 15:59:00

No começo, tosse e espirros. Depois, dor de garganta e mal-estar. Com a mudança de estação os casos de gripe começam a aparecer. Fique atento!