Quinta-feira, 25 de maio de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br

Minha Boa Idéia, Chupeta, como se livrar dela!


Você encontra aqui breves relatos de pais que, assim como você, já passaram por diversas situações difíceis com seus filhos. Os relatos trazem dicas muito valiosas para enfrentar essas situações. Aproveite!

É melhor nem começar!

Tenho 2 filhos, um menininho de três anos e uma garotinha de sete meses. Minha boa idéia é: NÂO dê chupeta ao seu filho! Os meus filhos nunca usaram e sempre foram tranqüilos, calmos e alegres! Além de horrorosa (muitas vezes você não consegue ver o rostinho da criança, fica aquele trambolho na frente), ela também não traz nenhum benefício - pelo contrário. Insisto: não dê chupetas! Seu bebê NÂO conhece e NÂO precisa! Amamente e curta ao máximo!

Juliana Gonzalez, São Paulo ? SP


Literalmente pelo rio abaixo!

Tenho uma dica para eliminar a chupeta de forma radical. Pode parecer impossível ou crueldade. Eu, por exemplo, não acreditava nessa idéia, mas funcionou comigo. Minha esposa simplesmente avisou uma semana antes aos nossos três filhos que eles, dali a uma semana, ficariam sem a chupeta, e no ?grande dia? pediu para que cada um colocasse no saco as suas chupetas e disse que iríamos jogar no rio. É claro que não fizemos isso e sim uma simulação... Eles choraram um pouco por uns dias e acabaram se conformando...incrível, não?

Celso Chokiti, São Paulo ? SP



Tratamento de choque

Para a minha filha de 2 anos largar a chupeta, eu mostrei a ela uma foto de uma criança com a boca e os dentes desproporcionais usando chupeta. Mostrei a ela e disse que se ela continuasse chupando chupeta, poderia ficar daquele jeito. Na primeira semana ela ainda pediu, mas quando eu a lembrava da foto, ela esquecia e assim me livrei de mais um problema... No embalo, tirei também a do meu filho de 1 ano e 8 meses. Valeu a pena!

Leda Soares, São Paulo, SP.


Chupeta para a lagartixa...

É muito bom compartilhar com vocês as experiências que nós vivemos com nossos pequenos. Tenho um casal de filhos: Felipe, de 4 anos e Heloisa, de 2 anos. Meu marido e eu nos preocupávamos muito com o Felipe a respeito da chupeta, pois ele gostava muito e era difícil conseguir que ele não a levasse quando saíamos de casa. Pensávamos que seria difícil principalmente porque a Heloisa chupa também. Sempre falávamos para ele que a chupeta estragaria seus dentes. Quando eu via a chupeta jogada em algum canto dizia a ele que a lagartixa vem buscar chupeta que fica jogada. Em uma feliz terça-feira à noite, Felipe pegou sua chupeta e me disse que iria jogá-la para a lagartixa. Eu o apoiei, ele deu um beijo na chupeta e a jogou em um terreno vazio que há no fundo da nossa casa. Ele nunca mais pediu pela chupeta, é como se ele nunca tivesse chupado, mesmo vendo sua irmã com a dela. A minha intenção de compartilhar esta experiência é de mostrar que às vezes nós pais achamos que não adianta falar, que temos que tomar uma atitude e muitas vezes acabamos "atropelando" o desenvolvimento dos nossos filhos. Neste caso, vimos que o que nós falamos durante tanto tempo serviu para que nosso filho criasse a maturidade necessária para ele tomar a atitude.

Maria de Lourdes Tumietto Domingues, Monte Alto, SP.


... e para o macaco também!

No dia do segundo aniversário do meu filho, resolvi tirar a chupeta dele. Combinamos que iríamos ao zoológico levar a chupeta para o filho do macaquinho que havia nascido, era pequenininho e precisava muito dela. Nesta mesma noite, ele perdeu a chupeta na cama e ficou procurando, eu a encontrei e a escondi. Ele pediu o "bubu" e eu disse que o macaco havia levado para seu filhinho e daí em diante, quando ele lembra do "bubu", ele imediatamente lembra do macaco. Hoje ele tem o macaco como seu amigo que faz tudo de errado. Foi mais fácil do que eu imaginava.

Andréa, Salvador, BA.


Bico picotado

Meu filho completou, no dia 1º de março, três aninhos. Meu marido e eu resolvemos que estava na hora de fazer a primeira visita ao dentista, para que ele começasse a se familiarizar com essa rotina que julgamos muito importante. A odonto-pediatra nos aconselhou a tirar-lhe a chupeta, para evitar problemas na arcada dentária no futuro. De imediato, achei que seria uma missão quase impossível, pois apesar de usar pouco a chupeta durante o dia, a fraldinha era a paixão nacional do meu filho. Começamos, então, a fazer uma campanha contra a chupeta. Cortei um pedacinho da ponta do bico e, quando ele pediu, mostrei o corte e disse que a baratinha havia comido. Nos dois primeiros dias ele dormiu segurando a chupeta na mão. Depois disso, após ele dormir, deixei a chupeta ao seu lado, sobre o travesseiro, mas ele não pegou. Para meu espanto, ele desistiu da chupeta e também não pediu mais a fraldinha. Foi mais fácil do que eu pensava. O processo levou apenas uma semana. Estamos na segunda semana sem chupeta e fraldinha. Quando ele pede, falo que a baratinha levou embora. Ele se conforma e dorme tranqüilo.

Dulcinéia de Fátima Melaré da Silva - Osasco, SP


Batom no lugar da chupeta

Minha filha tem 4 anos e, para tirar a chupeta, entre todas as alternativas que usei, a única que deu certo foi fazer a troca com alguma coisa que ela gostasse muito. Trocou por um batom da Sandy. Nunca mais pediu a chupeta, mas dormiu com o batom durante uma semana.

Margarete R. da Silva - Rio de Janeiro, RJ


Um furinho na borracha

Eu tenho dois filhos: uma linda menina de 6 anos e um menino de 1 ano e 2 meses. Com nenhum dos dois tive problemas com a retirada da chupeta, mas a minha cunhada usou uma técnica muito interessante e eficaz com minha sobrinha e achei legal repassá-la, depois que li o depoimento de outros pais. O método é simples e não causa traumas na criança: simplesmente faça um furo na chupeta, um furo pequeno com a agulha mesmo, ele fica invisível e a criança não vai perceber. Por causa desse pequeno orifício o ato de "sugar" será impossível! Com o tempo e depois de inúmeras tentativas a criança acabará por largar sozinha a chupeta, pois esta terá perdido a sua finalidade.

Regina Komoli Utiamada - Londrina, PR


Cansaço e muitas lágrimas

Minha filha usou chupeta desde que nasceu. Quando ela completou dois anos resolvi sumir com a chupeta de sua vida, mas de uma forma ?homeopática?: ela só podia usá-la à noite, quando estava super irritada. Funcionou, pois expliquei a ela que seus dentes ficariam tortos, além de repetir o discurso de que somente bebezinhos usavam chupeta. É claro que durante o processo dei muito apoio a ela. Quando completou 4 anos decidi liquidar definitivamente com a chupeta (ficava imaginando ver minha filha se casando de chupeta na boca!!!). Experimentei vários métodos , do clássico ?dar de presente ao Papai Noel? a outros mais elaborados, mas nada parecia adiantar. Um dia criei coragem e encarei: sabia que provavelmente não iria dormir algumas noites, mas tinha que terminar com a fase da chupeta! Foi muito difícil: durante uma semana ela chorou a noite inteira. Ficava com o coração super apertado, cheguei a achar que não ia conseguir. Me senti uma bruxa... Depois de uma semana de insônia geral, surpresa: ela esqueceu completamente da chupeta! Esse fato me ensinou que às vezes é preciso seguir em frente quando sabemos que estamos fazendo a coisa certa para os nossos filhos. Logicamente sempre respeitando a criança e dando a ela o devido apoio.

Milena Baker - São Paulo, SP


Papai Noel em ação

Meu filhinho tem 3 anos e 10 meses, e tirei o hábito dele chupar a chupeta. Disse a ele que o Papai Noel não dá brinquedos para crianças grandes, que usam chupeta e, além disso, que ela deixa os dentes feios. Graças a Deus ele não me deu trabalho em relação a isso. Ele não chupava o tempo todo, só quando sentia sono e acho que isso ajudou. Ainda me preocupo porque, quando criança, eu chupava o dedo indicador, forçando-o contra o céu da boca. Isso durou até os 6 anos de idade e hoje, aos 21, uso aparelho.

Tânia Mara Sgotti Ferreira - Itapetininga, SP


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Paz em casa 31/07/2002 às 13:46:00

Dicas preciosas da revista Meu Nenê e Família

   
Crianças especiais 05/11/2003 às 13:40:00

Classes regulares aceitando alunos com necessidades especiais já são realidade em algumas escolas. Naturalmente, como em toda reformulação, existem dúvidas dos pais. Será positiva a convivência entre crianças com diferenças mais acentuadas?

   
Como amamentar após o retorno ao trabalho 24/03/2006 às 13:42:00

A licença maternidade está no fim e logo você terá de voltar ao batente, mas não quer deixar de amamentar seu filho. O que fazer?

   
Cuidados para não engasgar 31/01/2001 às 14:32:00

Crianças, especialmente entre 2 e 3 anos, apresentam maior risco de engasgar com alimentos (e objetos), até por volta dos 4 anos de idade, quando aprendem a mastigar e a engolir melhor. Aprenda, aqui, como evitar acidentes.