Sexta-feira, 20 de outubro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Rivalidade entre irmãos

Por Carla Oliveira *


A rivalidade fraterna começa logo no momento em que o segundo filho nasce. Aprenda a lidar melhor com esse sentimento!

Por mais que se gostem e que se dêem bem, os irmãos sempre terão uma certa dose de rivalidade entre si. Afinal, eles têm que dividir tudo: a casa, os brinquedos, a televisão e o mais importante: o amor e a atenção dos pais. Esse sentimento é, até certo ponto, benéfico, pois é uma forma de aprendizado para outras situações que terão que enfrentar na vida.


No entanto, cabe aos pais o estabelecimento de alguns limites. Para ajudá-los a saber como agir, as americanas Adele Faber e Elaine Mazlich escreveram o livro "Siblings Without Rivalry/ How To Help Your Children Live Together So You Can Live Too", ainda sem tradução para o português. No livro, as autoras ensinam como administrar essa "concorrência" de modo saudável, sem deixar que isso prejudique as crianças.


Em primeiro lugar, elas defendem que os pais devem deixar que os irmãos expressem livremente o ciúme que sentem um pelo outro. As crianças precisam extravasar livremente as suas raivas, o que não significa deixar que eles partam para a agressão física. Quando os sentimentos ruins afloram, abrem espaço para os bons sentimentos. Porém, se eles ficam guardados, isso acaba gerando mágoa, ansiedade e ressentimento.

Nada de comparações!

A idéia central do livro é que os pais não podem estabelecer comparações entre os irmãos, uma vez que estas são as principais causadoras de atritos - e ainda representam uma ameaça à sua auto-estima. Frases como: "Seu irmão já sabia ler aos cinco anos de idade!", jamais devem ser ditas. Só porque eles são irmãos não significa que sejam pessoas iguais, com as mesmas aptidões e vontades. Além disso, a criança que está do outro lado da comparação se sente desvalorizada e incapaz.


Mostre que cada filho é especial e que você sabe valorizar as características de cada um. As autoras afirmam que as crianças não precisam ser tratadas necessariamente de forma igual, mas sim de uma forma especial, que leve em conta suas particularidades. Porém, jamais invente papéis para seus filhotes. Isso acontece quando você diz para um deles: "Você é o atleta da família". Isso irá acirrar ainda mais a rivalidade entre os irmãos, pois o outro achará que nunca será tão bom nos esportes, sentindo-se diminuído.

Quando seus filhos começarem a brigar, não corra logo para o agressor. Vá conversar primeiro com o ofendido, pois muitas vezes o agressor está apenas buscando chamar a atenção da mãe. Durante a briga, escute atentamente os dois, para que eles desabafem. O simples fato de serem ouvidos e compreendidos já acalma a situação. Mostre consideração com os dois lados da briga, mas aposte na negociação deles. Deixe que resolvam sozinhos a situação. Diga que você acredita que eles saberão chegar a um acordo e demonstre esse sentimento.


As autoras avisam, ainda, que é preciso parafrasear o sentimento das crianças, para que elas saibam que são compreendidas. Por exemplo: se o seu filho maior está com ciúmes do pequeno; diga: "Eu sei que você gostaria que seu irmãozinho estivesse bem longe daqui, mas isso não é possível".


Se você se precipitar e intervir sempre nas brigas, os pequenos irão aprender um ótimo modo de conseguir sua atenção. No entanto, se as crianças estiverem se machucando, a melhor coisa é separá-las e colocá-las cada uma em seu quarto. Explique que a agressão não é uma coisa legal e que as pessoas não devem machucar umas às outras, mesmo que estejam bravas.


Outra dica interessante das experts é encorajar as crianças a colocar seus sentimentos de raiva no papel. Além de ajudá-las a se expressar, o ato de desenhar poderá acalmá-las. Desse modo, você evita choros, puxões de cabelo e gritos, e seus pequenos descarregam sua fúria de um modo menos destrutivo. Não esqueça: a rivalidade é um sentimento inevitável, mas que deve ser controlado. E pode estar certo de que, mais tarde, seu filho perceberá que seu irmão, a quem ele considera seu maior inimigo é, na verdade, o seu mais fiel amigo.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Limites diante da telinha 11/06/2001 às 16:08:00

A televisão é extremamente poderosa e, se os pais não abrirem os olhos, correrão o risco de conviver muito pouco com seus filhos. Quantifique as horas e analise os programas que seu pimpolho está assistindo.E não esqueça que noticiário violento não é prog

   
Abuso sexual contra crianças 14/08/2004 às 14:27:00

Na grande maioria dos casos de abuso sexual contra crianças, o agressor é um parente ou conhecido da família. O que fazer para evitar essa ameaça que parece tão próxima?

   
Bullying, violência na escola 01/08/2004 às 11:19:00

Humilhação, intimidação, ameaça. Diariamente, estudantes de todas as idades são vítimas desse tipo de violência moral na escola. Os agressores são seus próprios colegas. Como lidar com essa situação?

   
Crianças especiais 05/11/2003 às 13:40:00

Classes regulares aceitando alunos com necessidades especiais já são realidade em algumas escolas. Naturalmente, como em toda reformulação, existem dúvidas dos pais. Será positiva a convivência entre crianças com diferenças mais acentuadas?

   
Oncologia Ginecológica e GRAACC 09/09/2014 às 09:12:01

Se você é profissional da saúde, este livro lhe interessa.