Quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Família, conhecer para entender

Por Beatriz Santos Soares *


O que é a família? Qual o papel de cada um dentro dela? Como se dá a transmissão de conhecimento de uma geração para outra? Entender a dinâmica familiar possibilita um melhor relacionamento entre seus membros.

No mundo ocidental, o grupo familiar é o grupo social de referência dos indivíduos. Podemos pensar a família como um grupo de pessoas de diferentes idades e gêneros, que, unidas por laços de consangüinidade, afetivos, de casamento ou por adoção, vivem juntas para se desenvolver, se manter e se proteger, como forma de sobrevivência.


A família constitui, portanto, um sistema, ou um conjunto de partes, onde cada membro afeta o outro e é afetado por ele. É na família que se estrutura a base emocional e afetiva das pessoas e é lá que a pessoa cresce e se faz indivíduo.


Refletir sobre relações familiares, transmissão de valores, cultura familiar, educação ou desenvolvimento humano é voltar nossos olhos para a forma como fomos ensinados e entender como aprendemos a nos constituir como cidadãos.

O papel de cada um

O especialista em dinâmicas relacionais G. Bateson diz que todo aprendizado é auto-referencial. Assim, para o aprendizado do novo, o avanço do nosso conhecimento deve ser conquistado através da reflexão sobre as matrizes que nos foram passadas na nossa educação primária, e sobre aqueles valores que estamos transmitindo aos nossos filhos.


Quando nos apropriamos da nossa história pessoal, admitimo-nos como o principal personagem da nossa história individual e incorporamos nossa responsabilidade como parte formadora da sociedade em que vivemos.


Pois bem... Assim considerando, necessitamos pensar também as relações que se formam entre os membros dos grupos familiares e a sociedade, com olhos voltados para o exercício dos papéis sociais que os cidadãos exercem dentro das famílias. Papéis como o de pai, mãe, filho, avô ou tio, e suas interações com a comunidade.

Convivência entre gerações

A história fez cultura, portanto as famílias têm muito a aprender nas trocas com seus familiares de origem, considerando saberes que estão pautados dentro de um contexto histórico e cultural, os quais sofreram transformações de geração em geração. Em cada família, encontramos valores arraigados, estabelecimento de hábitos e condutas, mitos, ritos, lealdades e segredos.


Cada época histórica e etapa do desenvolvimento têm suas características e especificidades e foi vivida nas famílias pelos seus vários membros, em diferentes gerações, de formas diversas, trazendo um conhecimento em si a ser conhecido, para o bem - a confirmação - ou para o mal - chamando a mudança.


A reflexão destas vivências e a troca de experiências entre os familiares criam intimidade no grupo, abrem a rede de conversas e ajudam na compreensão das regras "impostas" ou "propostas" como educação na família. Falar de educação de filhos, nos dias atuais, tornou-se um desafio para os pais, pois eles encontram muita dificuldade em estabelecer limites na família e praticar uma educação saudável, sem conflitos nem agressões, tendo uma postura mais confiante nessas relações.

Comunicação é a chave do bom relacionamento

Nesses novos tempos, onde se vêem tantos desencontros entre crianças, jovens e adultos, e até abandono de idosos, poderíamos pensar que um dos motivos deste descompasso está na falta de comunicação entre os membros da família, e ainda deles com toda a sua comunidade.


É de grande importância que a sociedade, tanto o poder público como o privado - as escolas, postos de saúde, centros comunitários, igrejas ou outros - encontrem uma forma de oferecer apoio às famílias de maneira integral, visando ao atendimento de suas necessidades psicossociais, educacionais, de lazer e culturais, no âmbito de sua formação, orientação, capacitação e expressão de valores materiais e espirituais.


O grande objetivo é contribuir com a qualidade de vida das pessoas que vivem nos centros urbanos, cujos espaços nem sempre oferecem alternativas construtivas para a convivência entre os membros das famílias, e entre eles e sua comunidade.

* Beatriz Santos Soares é Terapeuta Familiar e Mestre em Psicologia Social. Ela também é idealizadora do Familiarte, um espaço dedicado à convivência das famílias, no intuito de facilitar a comunicação e o relacionamento de seus membros, de forma lúdica e alegre. Contato: (11) 3642-1706 ou contato@familiarte.com.br


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
O grande reencontro 05/05/2009 às 19:04:00

Em uma grande homenagem ao Dia das Mães, o Clicfilhos conta a você a história de Assílio, que foi separado de sua mãe quando pequeno e, após 30 anos, conseguiu reencontrá-la por meio da Internet.

   
Caminhos para uma boa pesquisa 10/04/2002 às 15:29:00

Para que uma pesquisa renda bons frutos é preciso método, discernimento e foco no assunto. Ensine seu filho a descobrir tesouros numa biblioteca, real ou virtual!

   
Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

   
Sem pressa para sair de casa 19/07/2003 às 10:49:00

Hoje em dia, é comum que filhos continuem morando com os pais, mesmo depois de adultos. É a chamada "geração canguru"!

   
Aumente a renda da sua família! 01/08/2003 às 21:47:00

Se você teve de abandonar a carreira para cuidar dos filhos ou está desempregada, saiba que existem muitas maneiras alternativas de ganhar dinheiro. Não é preciso nem sair de casa!