Sexta-feira, 24 de novembro de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br

Crescendo dos 6 aos 12



Esta é uma comunidade para mães e pais de crianças de 6 a 12 anos. O objetivo é trocarmos informações, dúvidas, experiências, sensações e emoções sobre esse momento. Contamos com a colaboração de todos!

Lupita diz:

Aprendendo a ler. Li um artigo interessante que explicava que para desenvolver a leitura è preciso de concentração e abertura. Para isso precisamos controlar que a criança tenha tranqüilidade, saúde, boa vista, não seja disléxica ecc... mas alem disso tudo è a criança com uma certa base cultural tem mais facilidade. Lembro quando era criança e me davam para ler livros “pesados” da literatura clássica. Neles havia paginas e paginas de descrições que eu não conseguia acompanhar. Hoje acho que era porque não tinha vivido suficiente... A leitura è a base da cultura mas sem cultura a leitura se torna difícil.

Denunciar comentário abusivo

Li diz:

Olá , agradeço os comentário da Cida e Lupita , acredito que a leitura ajuda muito quando nao sabemos por onde começar , mas o dia a dia que nos faz tomar atitudes , ter discernimento e lembrar que passamos por esta fase e muito importante . Obrigada

Denunciar comentário abusivo

marici diz:

Texto de Lupita: Hiperatividade infantil – um tema atual A síndrome de hiperatividade infantil ou de atenção é um distúrbio da infância – mesmo que os sinais sejam presentes desde os primeiro meses de vida. O diagnostico è geralmente feito nos primeiros meses/anos de vida escolar. Os sintomas são déficit de atenção, dificuldade em se concentrar, escutar, aprender, facilmente associados a impulsividade, irritabilidade e eventualmente agressividade, em crianças com dificuldades de relacionamento com os colegas e professores… São crianças inteligentes mas como dificuldade em filtrar estímulos, facilmente distraídas. Essas crianças podem falar muito, alto demais e em momentos inoportunos. Elas estão sempre em movimento, sempre fazendo algo. Os sintomas pioram nos momentos de ansiedade e de excitação. Essas crianças sabem que determinados comportamentos não são aceitáveis, porem - apesar de querer agradar e de ser educadas - elas não conseguem se controlar. Lidar com uma criança hiperativa pode causar muito stress, preocupação e cansaço para os pais. A criança hiperativa pode incomodar quem esta perto dela, irmãos, parentes, colegas ou professores. Se você teve uma experiência direta ou indireta e quiser compartilhar conosco, podemos entender melhor o problema. Poucos conselhos básicos para os pais: Evitar estímulos supérfluos e pouco interessantes (supermercado, muita Tv…) Tentar conter emoções (da criança) como ansiedade, senso de inadequação, medo... dando mais atenção, conversando e brincando Avisar a criança de programas, eventuais surpresa, visitas ... Propor uma rotina, limites, horários, espaço, relembrar sempre o objetivo que se esta almejando Não deixar a criança sozinha por longos períodos Falar claramente dos fatos, valorizando sempre o presente Dar oportunidade à criança de desabafar fisicamente com atividades físicas em casa e ao ar livre Cuidar a alimentação, limitando açúcar e cafeína. Possíveis causas da hiperatividade infantil: Alergias alimentares Problemas emocionais Excesso de açúcar na alimentação Dificuldade ou aborrecimento Hipertiroidismo Outros problemas psicológicos ou físicos A criança hiperativa pode ser confundida com uma criança agitada, energética. E’ aconselhado portanto pedir quanto antes possivel o parecer de um bom pediatra e de um psicanalista infantil. Se possível evitar medicação.

Denunciar comentário abusivo

Lupita diz:

Obrigada por querer compartilhar conosco. Mães, eu sei quanto è imprevisto, estranho, abalador e por isso mesmo tão difícil ser mãe de um adolescente ou pré-adolescente. Ler livros pode ajudar bastante – mas não è suficiente e tem gente que não gosta de ler. Compartilhar è muito mais importante. 11 anos: a latência – essa fase mais linear e cheia de descobertas esta acabando. A criança – que não è mais criança – se sente no meio de um caminho, tendo que desenvolver sua própria maneira de ser, pensar, de aparecer, de se assumir... infinitos aspectos. Na adolescência o jovem costuma não reconhece o próprio corpo, um corpo novo, transformado, com novas sensações, equilíbrio, cheiro, cores e formas, desejos.... Só isso poderia preencher capítulos e capítulos de um livro. Depois temos a parte emocional – muito mais complicada. Estou tentada em dar algumas dicas básicas: autoridade e amor, reconhecer as dificuldades do adolescente, aceitar o “adulto” que esta nascendo (no seu filho) respeitando a “nova” personalidade com interesses, qualidades e capacidades individuais – muitos destes diferentes das da própria família. Mas eu sei quanto è difícil porque a criança mexe com as emoções dos pais (medo, raiva, insegurança, cansaço ....). Peço para que escrevam exemplos mais concretos, ficaria mais fácil de entender e comentar. Obrigada L

Denunciar comentário abusivo

cida diz:

Olha Liz, eu sei sobre o que você está falando, também já passei por isto e aprendi que a pré-adolescencia é assim mesmo. No meu caso me ajudou muito a ler sobre essa etapa da vida. Quando a gente sabe o que acontence e porque acontece fica mais fácil de a gente entender o que se passa com nosso filho e como a gente pode responder a estas mudanças. Minha dica é: artigo Clicfilhos: http://www.clicfilhos.com.br/ler/538-De_mulher_para_mulher Livro:"Criando Meninas" - Gisela Preuchof Amiga, minha filha hoje tem 18 anos, eu sobrevivi, tenho certeza que você vai também....bjs Cida

Denunciar comentário abusivo

1 2